Opinião

As andanças de Lula


Ele faz reuniões, dá ordens, emite opiniões como se fosse ainda o presidente da República. E viaja muito, principalmente para as regiões do país onde o PT está no governo estadual


  Por Paulo Saab 30 de Novembro de 2015 às 12:07

  | Jornalista, Bacharel em Direito, professor universitário e escritor.


Há quem afirme diante dos fatos atuais da realidade brasileira que o título de presidente ainda é de Dilma Rousseff, que ela ainda permanece nos palácios do Planalto e da Alvorada, mas quem governa o país hoje em dia é Luiz Inácio Lula da Silva, inventor, patrono e promotor da hoje inconveniente --para Lula e o PT-- chefe do executivo brasileiro.

Lula assumiu de fato o governo quando colocou dentro do Planalto e nas barbas de Dilma –se ela as tivesse- Jacques Vagner, Berzoini e Edinho Silva, entre outros, numa intervenção direta do lulismo no governo federal petista que vai muito mal das pernas.

Mais do que isso: faz reuniões, dá ordens, emite opiniões como se fosse ainda o presidente da República.
E viaja. Viaja muito, principalmente para as regiões do país onde o PT está no governo estadual, como por exemplo, o Acre, onde é recebido por grupos de militância formados por servidores ligados ao governador Tião Viana e ao senador Jorge Viana.

Ou é o contrário? Nunca sei porque ambos se revezam há anos nos cargos, numa vitaliciedade da família Viana que, a exemplo de estados do Nordeste, como Maranhão e outros, mantém a população em extrema pobreza, mas com o voto assegurado pelas bolsas esmolas distribuído à farta e empregos públicos comissionados.

Lula vai para onde sabe que será bem recebido. Não enfrenta plateias, auditórios e multidões onde sabe que será vaiado.

A questão é por que vai e quem paga as viagens também.

Vai certamente em busca de manter acesa a chama de uma possível candidatura para voltar ao Planalto em 2018.

Muito mais do que defender o desastre chamado governo Dilma, Lula está atrás de resgatar, nos locais em que pensa poder fazer isso, sua fama de imbatível nas urnas -embora a última pesquisa tenha mostrado que hoje ele perderia para Aécio, Marina, Alckmin.

Vamos deixar Lula viajar pelo país. Talvez ele acredite que possa ressuscitar o mote da esperança vencer o medo que o elegeu a primeira vez doze anos atrás. De lá para cá... Como disse a ministra Carmem Lucia do STF, o cinismo venceu a esperança e o escárnio venceu o cinismo.

O PT, Dilma, Lula, estão acuados. Ninguém fala, mas todos sabem. Delcidio era líder de Dilma no Senado e foi pego com a boca na botija.

Os métodos petistas foram revelados mais uma vez de forma clara, aberta.

Diz um dos Viana que o governador (acho que atualmente no rodizio familiar é o Tião) que “bandidos” atacam Lula.

Engano. São os bandidos comandados por alguém, de dentro do PT e do governo, que atacam o país.

Atacam os brasileiros, na defesa de um projeto criminoso de poder, no dizer do ministro Celso de Melo, do STF, para garanti a hegemonia que agora se esfacela de um grupo que tomou de assalto os cofres e o poder no país.

Para não estender muito: basta Lula e sua entourage divulgarem os gastos das viagens, quem as paga, e se for o Instituto Lula, demonstrar a origem dos recursos. Não vale o que o Vaccari mandou...

A verdade é uma só. Lula pode andar por onde quiser, quando quiser, como quiser. Enquanto o cerco não se fechar. Depois, só andará para tomar sol duas horas por dia.