Opinião

A guerra das narrativas


Passou a importar mais como se conta e propaga a versão do fato do que este em si


  Por Paulo Saab 08 de Setembro de 2021 às 13:01

  | Jornalista, Bacharel em Direito, professor universitário e escritor.


Desde que Lula iniciou no país a exacerbação do conflito “nós” e “eles”, num lamentável desserviço à causa da união nacional, espraiou-se pelo Brasil uma separação que, se existia latente, tornou-se patente, motivando um clima permanente de enfrentamento, entre brancos e negros, ricos e pobres, empresários e trabalhadores, altos e baixos, gays e héteros, gordos e magros. Enfim, toda sorte de discriminação possível, à flor da pele, para seguir o “ensinamento” que vem desde Maquiavel, de “dividir para governar”.

Alimenta este quando a ditadura do politicamente correto, onde a pauta socialista de que tudo deve ser controlado e significa ofensa, criou narrativas e comportamentos que tolheram a alegria, a espontaneidade e até a criatividade do povo brasileiro.

Além de todos os malefícios que este tipo de ação gerou, sobrou ainda um outro componente que está afetando a alma nacional. O Brasil se tornou um país chato.

Criou-se, como mencionei, a guerra das narrativas. Passou a importar mais como se conta e propaga a versão do fato do que este em si mesmo.

A “narrativa” dos que defendem a ideologia socialista, comunista, encalacrados dentro do estado brasileiro, após os malfadados treze anos de aparelhamento efetuado pelo lulopetismo e seus satélites, chegou a um ponto em que a verdade passou a ser mero detalhe sem nenhuma importância.

O mundo, ou a bolha, em que vivem estes defensores do politicamente correto e das narrativas manipuladas, quando não inventadas, está distante da realidade do que pensa e deseja a ampla maioria do povo brasileiro.

Estimulados pelo ódio ao presidente da República que significa o rompimento, a ruptura de um sistema corrupto instalado nas “instituições”, autoalimentado-se de inverdades transformadas neles próprios em fatos reais, com o apoio e propagação da tradicional mídia que vivia nababescamente com verbas públicas, a questão do “nós” e “eles”, das narrativas e das mentiras vendidas como verdades, ganhou uma dimensão que como na fábula onde o rei está nu, todos os que vivem dessa bolha em que se encarceraram mentalmente, não conseguem mais perceber como sua credibilidade, algo difícil de conquistar, escorre para o ralo do descrédito, para o vazio do conteúdo, para o descaso de outrem.

As manifestações de rua do povo brasileiro, neste 7 de setembro, que arrastaram multidões Brasil afora, clamando por liberdade e justiça verdadeira, foram transformadas pelos habitantes da bolha socialista em algo diferente de seu significado.

Assim, luta pela justiça e liberdade de opinião virou golpe. Defesa do estado de direito virou ato antidemocrático e defender a revolução proletária e a ditadura dos pobres virou ato a favor da democracia. Entre muitos outros exemplos estampados na mídia engajada.

O mais escabroso de todos, foi o desdém de alguns em relação ao volume de gente que foi às ruas de verde-amarelo. Comparativamente aos que foram de vermelho foi uma diferença brutal. E, comparativamente, as narrativas da quantidade e dos conteúdos das pautas, foi abissal.

Como bem observou Milton Neves e foi enaltecido na abordagem por Alexandre Garcia, no jornalismo de verdade não se briga com a imagem. Quem diz uma coisa diferente do que se vê na imagem, desacredita a si próprio e à sua causa. A fraude fica cravada como fogo na pedra.

O dito popular é claro: o pior cego é o que não quer ver. E todos que viram o que aconteceu no Brasil neste 7 de setembro e negam a realidade, produzindo sua própria narrativa, diferente da que a população ordeira, pacífica, mandou dizer, através do seu representante, o presidente da República, vão seguir em seu mundinho achando que sua vontade, seu desejo, é o da maioria. Não é.

Olhar a imagem da multidão nas ruas e ouvir seu recado, e fingir que isso tudo é pouco, ou nada, pelo ódio ideológico que os acomete, é um erro tão palpável, que só faz aumentar a distância entre a grande maioria dos “nós” e a cada vez mais minoria dos “eles”.

Quem viver, verá.

Segundo a narrativa da bolha socialista, havia pouca gente.

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio 






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade