Negócios

XP investe em aplicativo criado por brasileiros nos EUA


Fundada no Vale do Silício, a Olivia já tem 450 mil usuários nos Estados Unidos e deve começar a funcionar em breve no Brasil


  Por Estadão Conteúdo 06 de Fevereiro de 2019 às 11:13

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A fintech Olivia, dona de um aplicativo que ajuda seus usuários a economizar dinheiro, anunciou ontem que recebeu um aporte da corretora XP Investimentos.

Fundada no Vale do Silício por dois brasileiros, Cristiano Oliveira e Lucas Moraes, a Olivia já tem 450 mil usuários nos Estados Unidos e deve começar a funcionar em breve no País.

Quando isso acontecer, o sistema de inteligência artificial da empresa vai direcionar os usuários a produtos financeiros oferecidos pela corretora, personalizando os investimentos para cada perfil. 

|ASSISTA AO VÍDEO| Afinal, o que é fintech?

"Com um único clique, o dinheiro economizado pelo usuário na Olivia vai se tornar um investimento na XP", explica Moraes, cofundador da empresa. 

O aporte, sem valor revelado, se segue a uma parceria entre as duas empresas: em setembro do ano passado, a XP lançou o robô de conversas Max, desenvolvido pela startup. 

LEIA MAIS: Uma fintech para facilitar o acesso ao crédito

O aplicativo tem a pretensão de se tornar parte do planejamento financeiro das pessoas. Para isso, pede "licença" para ter acesso aos dados de conta bancária e cartão de crédito do usuário. É assim que ele consegue entender um padrão de ganhos e gastos.

Na sequência, por meio de um chat, a ferramenta faz perguntas e dá sugestões, informando ao usuário sobre sua situação financeira e incentivando-o a economizar pelo menos uma pequena fatia de sua renda - dando dicas sobre compras do mês, refeições fora de casa e até tarifas bancárias. 

Nos EUA, a ferramenta já é capaz de fazer pesquisas de preços em supermercados nas regiões próximas ao usuário e propor a ele um novo padrão. Segundo a empresa, um usuário médio poupa 0,8% da renda familiar por mês quando começa a usar o serviço. Sessenta dias após o início do uso do app, o porcentual salta para 5,7%. A empresa espera direcionar esse dinheiro extra de seus usuários para a XP. 

LEIA MAIS: As fintechs que facilitam a vida do comerciante

Para faturar, a startup aposta em parcerias com redes de varejo, como restaurantes e bancos. Nos EUA, diz a startup, os primeiros acordos já estão em andamento.