Negócios

Wine adquire Cantu por R$ 180 milhões


Com a compra da importadora, que foca mercado B2B, e-commerce de vinhos desbanca Pão de Açúcar e se torna a segunda maior importadora da bebida no Brasil


  Por Estadão Conteúdo 17 de Maio de 2021 às 10:23

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A Wine, maior empresa de e-commerce de vinho no Brasil, está comprando a Cantu, importadora de vinhos com foco no mercado de B2B (business to business). A transação foi assinada na última sexta-feira (14/05), e será anunciada nesta segunda-feira (17), junto com a divulgação dos dados do balanço da Wine de 2020 e do 1° tri de 2021.

Com a transação, serão pagos R$ 180 milhões pela Cantu, divididos entre dinheiro e participação acionária aos fundadores, Peterson e Jefferson Cantu. A primeira parte, R$ 54 milhões, será paga no fechamento da operação.

LEIA MAIS:  O novo comportamento de compras nos supermercados

Com a transação, a Wine passa a ser a segunda maior importadora de vinhos no Brasil, atrás apenas da VCT e desbancando o Grupo Pão de Açúcar da segunda posição, de acordo com a Ideal Consulting.

De acordo com os dados da consultoria especializada no mercado de vinhos, a Wine importou no ano passado 830 mil caixas de 9 litros de vinho- -, o equivalente a 9,9 milhões de garrafas.

A Cantu, por sua vez, trouxe para o Brasil 689,5 mil caixas, ou 8,2 milhões de garrafas. A líder VCT importou mais do que 2 milhões de caixas de 9 litros neste mesmo período, ou mais de 24 milhões de garrafas.

"A estratégia da Wine passa por estar presente em todos os canais de venda de vinho, o chamado omnichannel. A Cantu é uma empresa com forte presença no B2B, onde a Wine pouco atua e enxerga uma boa oportunidade", afirma Felipe Galtaroça, CEO da Ideal.

A Cantu foi uma das importadoras com maior crescimento na pandemia, e chegou a faturar R$ 198 milhões em 2020. "O nosso Ebitda (geração de caixa) triplicou neste período", diz Peterson Cantu, fundador e diretor da importadora.

Peterson, que se tornará acionista da Wine com a transação, diz que a venda da importadora foi uma oportunidade de negócio, pensando no futuro do mercado de vinhos no Brasil.

"O negócio do vinho tende a ficar mais concentrado, com grandes companhias atuando em todos os canais", afirma. E acrescenta: "Eu precisaria investir muito na Cantu para não ficar para trás."

DISPUTA 

O perfil da empresa, que nasceu como um braço do grupo Cantu, especializado na importação de frutas, é complementar ao portfólio da Wine. Tem marcas líderes, como a chilena Ventisquero, e a argentina Susana Balbo Wines, conta com mais de 15 mil pontos de venda e mais de 11 mil clientes entre on-trade e off-trade.

Esse perfil tornou a Cantu disputada pelas empresas de e-commerce. A Evino, que disputa com a Wine a liderança nas vendas online, tentou comprar a Cantu, mas as conversas não foram conclusivas sobre o valor da transação e foram encerradas no ano passado.

As negociações com a Wine começaram em meados de 2020 e, desde janeiro deste ano, a Wine analisa os dados da Cantu. Segundo fato relevante que será divulgado, a "Cantu agregará capilaridade ao negócio B2B da Wine".

Procurada, a Wine não se pronunciou. Ela está em período de silêncio depois do plano de abrir o capital, anunciado no ano passado. Mas, no final de 2020, decidiu pedir registro de companhia aberta, e está se preparando para fazer uma oferta para investidores profissionais. 

FOTO: Freepik





Publicidade





Publicidade









Publicidade