Negócios

Vendas surpreendem e sobem 4,7% na 1ª quinzena de novembro


Queda nos juros, FGTS e a antecipação da Black Friday pelo varejo físico favoreceram a alta no movimento do comércio paulistano no período, segundo o Balanço de Vendas da ACSP


  Por Karina Lignelli 19 de Novembro de 2019 às 12:30

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Começou a esquentar: na primeira quinzena de novembro, as vendas do varejo paulistano cresceram 4,7%, em média, ante igual período de 2018, de acordo com dados do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

No movimento de vendas a prazo, a alta foi de 4% nos primeiros quinze dias do mês, na comparação anual. Já as vendas a vista cresceram 5,4% no período.

Esse resultado, que supreendeu ao levar em conta a média de aumentos de 2% dos meses anteriores, se deve a três fatores importantes, segundo Emílio Alfieri, economista da ACSP.

LEIA MAIS:Vendas online devem chegar a R$ 3 bi na Black Friday

O primeiro tem a ver com a retomada gradual das vendas de móveis e eletrodomésticos, puxada pela queda nos juros e o aumento do crédito para pessoa física, diz o economista, influenciando o resultado das vendas a prazo, que seguiam tímidas.

O segundo, que engloba as vendas de menor valor à vista, como vestuário, calçados, acessórios, artigos de uso pessoal e utilidades domésticas, foi favorecido pela liberação dos R$ 500 do FGTS. 

Já o terceiro está relacionado à antecipação que o varejo físico tem feito da Black Friday: segundo o economista da ACSP, grandes varejistas já estão fazendo ofertas e promoções relacionadas à data desde o início do mês. Na 25 de março também há ofertas com esse apelo promocional – inclusive nos itens da coleção primavera-verão e moda praia.

“Todos esses lojistas saíram na frente e, ao invés de fazer ações só no dia 29, eles transformaram novembro no mês da Black Friday”, diz Alfieri.  

De modo geral, os fatores que puxaram o resultado têm ajudado bastante o varejo paulistano que, segundo Emílio Alfieri, vinham crescendo em torno de 2% ao mês, mas fizeram novembro começar de maneira favorável. Portanto, há boas perspectivas para o fim do ano.

“É preciso um pouco de cautela, porque a Black Friday pode tirar um pouco das vendas de Natal”, afirma. “Mas com o novo corte de juros e o restante da liberação do FGTS, antecipada para esse ano, os resultados podem supreender ainda mais”, sinaliza.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP, com base em amostra fornecida pela Boa Vista Serviços.

FOTO: Arquivo DC