Negócios

Vendas sobem 2,2% na primeira quinzena de dezembro


É o que revela o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Expectativa é que segunda parcela do 13º salário impulsione o desempenho do comércio paulistano


  Por Redação DC 18 de Dezembro de 2018 às 10:06

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O movimento de vendas do varejo paulistano cresceu em média 2,2% na primeira quinzena de dezembro na comparação com o mesmo período do ano passado.

As vendas a prazo subiram 2,3% ante alta de 2% na modalidade à vista, de acordo com o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“A Black Friday esfriou a primeira quinzena de dezembro, mas os números ficaram dentro do esperado. A expectativa agora é com a segunda parcela do 13º salário, que pode melhorar bastante o desempenho do comércio no restante do mês”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Ele chama atenção também para a alta nas vendas à vista, porque vinham registrando queda nos balanços anteriores. “O tempo firmou e o calor, aparentemente, veio para ficar, o que beneficia as modas praia e primavera-verão”, observa. “Mantendo-se o tempo quente, esse será outro fator que ajudará o varejo a ter um dezembro ainda mais forte no mês como um todo”.

Mensal

Na comparação com os quinze primeiros dias de novembro, a primeira quinzena de dezembro teve crescimento médio de 32,7% (21% no sistema a prazo e 44,4% na modalidade à vista).

“Em dezembro, houve dois dias úteis a mais, o que explica esses números tão elevados. Mas ainda assim ficou na média dos últimos três anos”, afirma Burti, explicando também que o salto maior nas vendas à vista deve-se justamente porque elas vinham caindo. “A base favorece”.

Acumulado do ano

Do início do ano até a primeira quinzena de dezembro, o varejo paulistano registrou alta média de 2,1%, sendo crescimento de 6% nas vendas a prazo e queda de 1,8% nas vendas à vista.

“Está dentro do que a Associação vinha projetando e retrata bem o que foi o comércio em 2018 na capital, com os bens duráveis sendo ajudados pelos juros baixos e os semiduráveis prejudicados pela temperatura inconstante. É um balanço assimétrico do ano”, comentar Burti.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP com amostra fornecida pela Boa Vista SCPC.