Negócios

Vendas reais do varejo caem 7,4% em setembro


Grupo Pão de Açúcar registra prejuízo de R$ 122 milhões no terceiro trimestre deste ano


  Por Estadão Conteúdo 29 de Outubro de 2015 às 20:33

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


As vendas reais do varejo recuaram 7,4% em setembro ante o mesmo mês de 2014, aponta o Índice Antecedente de Vendas (IAV), divulgado pelo Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) nesta quinta-feira (29/10). Este foi o pior desempenho desde a criação do indicador, em outubro de 2007.

Todos os segmentos tiveram quedas em setembro, assim como ocorreu em agosto. A crise está atingindo empresas de todos os portes e nem o Grupo Pão de Açúcar escapou de registrar um prejuízo líquido em seu balanço divulgado nesta quinta-feira (29/10).  

Segundo o IDV, em comparação com o mesmo período de 2014, novamente o comércio de bens duráveis apresentou a maior baixa (-12,7), seguido pelos segmentos de semiduráveis (-6,2%) e bens não duráveis (-4,8%).

Em agosto, o IAV-IDV havia registrado queda real de 7,2%. "A deterioração dos pilares macroeconômicos que direcionam o consumo tem influenciado diretamente para baixo o desempenho do varejo desde o 3º trimestre do ano passado", comentou em nota Luiza Helena Trajano, presidente do IDV.

O setor varejista prevê continuidade na redução do faturamento real. Ante os mesmos meses de 2014, o IAV-IDV aponta para quedas de 2,62% em outubro, 2,26% em novembro e 2,53% em dezembro.

Para bens duráveis, o IAV-IDV aponta recuo para outubro (-3,4%), novembro (-2,9%) e dezembro (-2,1%). 

Já o segmento de semiduráveis, que inclui vestuário, calçados, artigos esportivos e livrarias, espera reduções de 3,1% em outubro, 5,6% em novembro e 1,9% em dezembro. 

Por fim, o comércio de bens não duráveis, composto principalmente por vendas de super e hipermercados, serviços alimentares e perfumaria, prevê queda de 2%, 0,5% e 3,1% para os últimos três meses do ano.

Sessenta e seis empresas varejistas de diferentes setores compõem o IDV e fornecem dados para a definição do índice. Fazem parte B2W, Grupo Pão de Açúcar, Lojas Americanas, Lojas Marisa, Magazine Luiza, Spoleto e Tok&Stok, entre outros.

GRUPO PÃO DE AÇÚCAR: PREJUÍZO DE R$ 122 MILHÕES

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) reportou prejuízo líquido consolidado de R$ 122 milhões no terceiro trimestre de 2015, revertendo lucro de R$ 391 milhões do mesmo período do ano anterior. 

No acumulado de nove meses do ano, o lucro da companhia chega a R$ 101 milhões, redução de 90,7% ante os mesmos meses de 2014. 

A companhia reportou também um lucro líquido ajustado, eliminando receitas e despesas extraordinárias. O resultado foi R$ 49 milhões de lucro ajustado no trimestre, queda de 87,7% na comparação anual. 

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) do grupo varejista atingiu R$ 445 milhões entre julho e setembro, recuo de 61,9% na comparação anual. 

Em nove meses, o Ebitda alcançou R$ 2,058 bilhões, redução de 37,8%. A companhia divulga ainda um Ebitda ajustado, que chegou a R$ 677 milhões no terceiro trimestre, diminuição de 42,9%. 

Considerando apenas a operação de varejo alimentar, o lucro entre julho e setembro foi de R$ 44 milhões, queda de 75,9% ante os mesmos meses de 2014. 

Já o Ebitda em alimentos (divisão que inclui as bandeiras Extra, Pão de Açúcar e Assaí) foi de R$ 455 milhões, retração de 23,3%. 

O GPA já havia divulgado previamente que a receita líquida consolidada do trimestre foi de R$ 16,061 bilhões, crescimento de 2,6% na comparação com igual período de 2014. No varejo alimentar, a receita subiu 7,3%, para R$ 8,852 bilhões no trimestre.

FOTO: Estadão Conteúdo







Publicidade




Publicidade






Publicidade