Negócios

Vendas em shopping centers crescem 6,5%


O resultado em 2015 ficou abaixo de anos anteriores e a previsão de inaugurar mais 26 centros de compras caiu pela metade, de acordo com a Abrasce


  Por Estadão Conteúdo 28 de Janeiro de 2016 às 11:25

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


As vendas do setor de shopping centers atingiram R$ 151,5 bilhões em 2015, resultado 6,5% superior a 2014, de acordo com a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Apesar da expansão, o resultado ficou aquém do verificado na comparação de 2014 com 2013, quando a expansão das vendas foi de 10,1%.

"Como diversos setores, tivemos um 2015 muito desafiador, com um cenário de incertezas na esfera econômica. Ainda assim, a indústria de malls comemorou a chegada de 18 novos empreendimentos e apresentou desempenho acima do varejo em geral", disse Glauco Humai, presidente da Abrasce.

A previsão inicial, no entanto, era de abertura de 26 novos shoppings em 2015. O total desses centros comercias no Brasil chegou a 538, em 196 cidades pelo território nacional.

Segundo levantamento da Abrasce, 67% das inaugurações em 2015 ocorreram fora das capitais. Ao fim do ano passado, 48% dos shoppings totais estavam localizados em capitais brasileiras e 52% em outras cidades.

Além disso, 41% do total dos centros de compras estão concentrados em cidades com menos de 500 mil habitantes, o que, de acordo com a Abrasce, aponta para uma tendência cada vez maior de interiorização desses empreendimentos.

A área bruta locável (ABL) atingiu 14,680 milhões de metros quadrados, 6,0% a mais do que no ano anterior. O número de lojas aumentou para 98.200 unidades em 2015, de 9.242 unidades no final do ano anterior.

Para 2016, a expectativa é elevação de 6,5% no faturamento e abertura de 30 novos shoppings, sendo 23 deles em cidades que não são capitais. A previsão é de que os investimentos em novos shoppings e expansões somem R$ 15 bilhões neste ano.

"Para 2016, muitos lançamentos estão previstos em municípios menores e, segundo esta tendência, ainda há espaço para expansão de shoppings no País", disse o presidente da Abrasce.