Negócios

Vendas do varejo sobem 1% em abril


Para Alencar Burti, presidente da ACSP, os números positivos mostram que a política econômica do governo está na direção certa


  Por Estadão Conteúdo 13 de Junho de 2017 às 09:44

  | Agência de notícias do Grupo Estado


As vendas do comércio varejista subiram 1,0% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira (13/01), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mesmo com a alta de 1% nas vendas em abril em relação a março, o nível de vendas do varejo está 9,9% abaixo do pico histórico, registrado em novembro de 2014.

O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 1,70% a alta de 1,30%, mas acima da mediana das projeções, que estava negativa de 0,65%.

Na comparação com abril de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 1,9% em abril de 2017. Nesse confronto, as projeções iam de uma retração de 3,00% a crescimento de 1,00%, com mediana negativa de 1,20%.

Foi a primeira alta nessa base de comparação após 24 meses seguidos de queda. As vendas do varejo restrito acumularam retração de 1,6% no ano e queda de 4,6% em 12 meses.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 1,5% em abril ante março, na série com ajuste sazonal.

O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 1,10% a alta de 1,80%, com mediana positiva de 0,10%.

Na comparação com março de 2016, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram baixa de 0,4% em abril de 2017.

Nesse confronto, as projeções variavam de uma retração de 4,40% a avanço de 0,60%, com mediana negativa em 2,85%. As vendas do comércio varejista ampliado acumularam queda de 1,8% no ano e redução de 6,3% em 12 meses.

Para Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), os números positivos mostram que a política econômica do governo está na direção certa, embora ainda haja muito espaço para recuperação (apesar da crise política). 

“A alta registrada em abril – na variação anual – surpreendeu. O desempenho melhor nos segmentos de supermercados, vestuário e itens pessoais sugere que a deflação dos alimentos, a elevação da massa salarial e os recursos do FGTS tiveram participações essenciais para o resultado”, diz Burti. 

Ele acrescenta que a mudança de estação também contribuiu para as vendas de roupas e calçados da moda Outono-Inverno. 
 
O presidente da ACSP lembra que, em 2017, a Páscoa foi celebrada em abril, ao passo que em 2016 foi em março, o que beneficiou o ramo de supermercados na pesquisa publicada nesta terça.

“Já os resultados negativos dos produtos de maior valor ? como veículos, móveis e construção ? se explicam pela maior dependência de crédito. Para isso se reverter, as taxas de juros precisam continuar a cair”, ressalta ele.

ATIVIDADES

O destaque foi o segmento de "hipermercados, supermercados, produtos alimentícios e fumo", com alta de 0,9% na passagem de março para abril.

A gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Isabella Nunes, chamou atenção para o fato de a alta de 0,9% em abril ante março ter sido precedida de quedas em março e fevereiro, com um recuo acumulado de cerca de 6,0%.

O desempenho das vendas nos supermercado foi influenciado pela redução da inflação e teve "algum impacto" da liberação das contas inativas do FGTS, afirmou Isabella.

Também registraram altas as atividades Tecidos, vestuário e calçados (3,5%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (10,2%), que também registraram taxas positivas frente a março de 2017.

"Embora seja um resultado positivo, ele não está disseminado entre as atividades", disse Isabella.

No sentido oposto, as vendas do varejo de móveis e eletrodomésticos caíram 2,8% em abril ante março.

No varejo ampliado, que registrou alta de 1,5% em abril ante março, as vendas do varejo de veículos encolheram 0,3%, enquanto as vendas de material de construção caíram 1,9%. Segundo Isabella, esse desempenho também foi marcado pelo segmento de supermercados.

TRIMESTRE 

O índice de média móvel trimestral das vendas do comércio varejista restrito caiu 0,2% em abril.

No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, o índice de média móvel trimestral das vendas teve alta de 0,3% em abril.

REVISÃO

O IBGE revisou o resultado das vendas no varejo em março ante fevereiro, de um recuo de 1,9% para queda de 1,2%.

A taxa de fevereiro ante janeiro também foi revista, de queda de 1,6% para um recuo mais brando, de 0,4%. Já a taxa de janeiro ante dezembro de 2016 passou de uma alta de 6,0% para um avanço de 5,5%, enquanto a variação de dezembro de 2016 ante novembro daquele ano passou de queda de 1,7% para recuo de 1,9%.

No varejo ampliado, também houve revisão no resultado de março ante fevereiro, que saiu de queda de 2,0% para um recuo menor, de 0,8%. A taxa de fevereiro ante janeiro passou de uma alta de 0,6% para um avanço de 0,2%.

FOTO: Thinkstock