Negócios

Vendas do varejo paulistano crescem 3,8% na primeira metade de setembro


Alívio na inflação, queda nos juros e melhora no crédito puxaram o resultado, segundo o Balanço de Vendas da ACSP


  Por Karina Lignelli 18 de Setembro de 2017 às 18:07

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Considerado um mês fraco para o varejo, setembro começou de forma positiva, e encerrou a primeira quinzena com alta média de 3,8% no movimento de vendas a prazo e à vista do comércio paulistano ante igual período de 2016.

Os dados são do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Por não contar com data comercial e ter um feriado, fatores que prejudicam o setor na cidade, o resultado do período foi bom, segundo Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais de São Paulo (Facesp), que considerou o crescimento “generalizado.”

“A economia caminha para uma recuperação consistente segundo os dados mais atuais, mas é preciso cautela por conta do quadro de incerteza política”, afirma.

Na comparação com a primeira quinzena de agosto, houve uma alta de 6,7% no período, por conta de fatores como alívio inflacionário, queda nos juros, melhora no crédito e recuperação da massa salarial.

Por outro lado, as vendas à vista registraram queda de 15,6%, já que a base de comparação foi mais forte por conta do Dia dos Pais, que impulsionou a compra de presentes de menor valor.

O resultado positivo dos primeiros quinze dias de setembro, porém, não ajudou a recuperar a queda de 5,3% registrada no mesmo período de 2016, afirma Emílio Alfieri, economista da ACSP, que reforça a cautela nas projeções.

Na comparação com a primeira quinzena de setembro do ano passado, o crescimento nas vendas a prazo foi de 5%. As vendas à vista subiram 2,6% na mesma base de comparação.

“Apesar de a economia ter se descolado da conjuntura política, o atraso na votação de reformas, como a da Previdência, pode afetar sua recuperação a médio e longo prazo”, afirma.

Mesmo sem citar números, Alfieri acredita que, de modo geral, a perspectiva para os próximos três meses é positiva, já que o varejo contará com Dia das Crianças, Black Friday e Natal. 

“O cenário é favorável, pois provavelmente essas datas acentuarão um pouco o crescimento”, conclui.  
Imagem: Thinkstock