Negócios

Vendas do varejo da cidade de SP crescem 17,9% em agosto


Segundo a Associação Comercial de São Paulo, aos poucos o setor recupera as perdas, mas o risco de descontrole inflacionário e da crise hídrica podem frear o consumo


  Por Redação DC 06 de Setembro de 2021 às 12:30

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O fim das restrições ao comércio em todo o Estado de São Paulo elevou as vendas no varejo paulistano em agosto, é o que aponta o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) com dados da Boa Vista. O indicador registrou alta média de 17,9% sobre julho deste ano.

A diminuição das restrições no início de agosto motivou uma demanda reprimida a ir às compras, aproveitando o Dia dos Pais. A comercialização de peças de vestuário, como roupas e agasalhos, aqueceu o faturamento do comércio na data.

"O fim das restrições ao comércio na segunda quinzena e a compra de presentes na primeira foram fatores importantes para esse resultado positivo no mês de agosto", avalia o economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo.

O Balanço de Vendas apontou também alta de 30%, comparando agosto deste ano com igual mês do ano passado. Apesar dessa alta expressiva, Solimeo explica que o motivo desse crescimento foi a fraca base de comparação, visto que há um ano boa parte do comércio estava fechada por causa da pandemia.

"Nossa expectativa se mantém. Até o final deste ano vamos atingir o mesmo patamar apresentado antes da pandemia. Não estamos falando de recuperação das vendas porque venda adiada é venda perdida", explica.

Para Solimeo, mês a mês, o indicador deve se mostrar positivo até o final do ano. "Na medida em que a vacinação continua acelerando a tendência para o varejo melhora, mas temos problemas que podem afetar o desempenho. Como o aumento da inflação, que vai comprometer a renda da população, e que exige atenção do governo, e também a crise energética", finaliza.






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade