Negócios

Vendas do varejo caem 0,90% em outubro, aponta IBGE


Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o desempenho foi 2,5% superior, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio


  Por Estadão Conteúdo 13 de Dezembro de 2017 às 09:22

  | Agência de notícias do Grupo Estado


As vendas do comércio varejista caíram 0,90% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal, informou na manhã desta quarta-feira (13/12), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com outubro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 2,50% em outubro de 2017. Nesse confronto, as projeções iam de uma expansão de 3,00% a 7,40%, com mediana positiva de 5,00%.

As vendas do varejo restrito acumularam alta de 1,40% no ano e aumento de 0,30% em 12 meses.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas caíram 1,40% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal.

Na comparação com outubro de 2016, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 7,50% em outubro de 2017. Nesse confronto, as projeções variavam de uma expansão de 7,20% a 11,40%, com mediana positiva de 9,55%.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam alta de 3,20% no ano e aumento de 1,40% em 12 meses, segundo informou o IBGE.

A queda de 0,9% nas vendas do comércio varejista em outubro ante setembro o recuo mais acentuado para o mês desde 2008, quando o volume vendido teve redução de 1,0%, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a alta de 2,5% no volume vendido pelo varejo em outubro deste ano foi o melhor desempenho para o mês desde 2013, quando tinha avançado 5,4%.

Para Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), os dados indicam que a recuperação do setor está consolidada, mas em ritmo irregular, pois o desempenho ficou abaixo da expectativa.

“Uma das razões para esse desempenho pode ser a realização da Black Friday em novembro; por um lado, essa data comercial antecipa vendas do Natal e, por outro, adia aquisições que seriam feitas em outubro”, diz Burti.

“A retomada do comércio não é homogênea. De um ramo para outro, existem muitas variações. Em outubro, os segmentos que puxaram o resultado foram os mais dependentes de crédito, pois são os mais beneficiados pela queda das taxas de juros, pelo alongamento dos prazos de financiamento e pela base fraca de comparação”, disse o presidente da ACSP

POR SETOR

As vendas do setor de supermercados recuaram 0,3% na passagem de setembro para outubro, a primeira queda após seis meses consecutivos de crescimento, período em que acumulou um ganho de 5,3%.

Entre as oito atividades que integram o varejo, cinco registraram perdas em outubro ante setembro, o que explica a queda de 0,9% verificada na média global no mês.

As demais reduções ocorreram em Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,5%), Tecidos, vestuário e calçados (-2,7%), Móveis e eletrodomésticos (-2,3%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-0,7%).

As variações positivas ocorreram em Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,4%), Combustíveis e lubrificantes (2,4%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (2,4%).

No comércio varejista ampliado, que inclui os setores de veículos e material de construção, as vendas recuaram 1,4% em relação a setembro. A atividade de Material de construção encolheu 1,0%, enquanto as vendas de Veículos, motos, partes e peças tiveram recuo de 1,9%.

Revisões

O IBGE revisou o resultado das vendas no varejo em setembro ante agosto, de uma alta de 0,5% para uma elevação de 0,3%. O resultado de agosto ante julho também foi revisado, de -0,4% para -0,5%, enquanto a taxa de julho ante junho saiu de 0,1% para 0,0%.

No varejo ampliado houve revisão no resultado de setembro ante agosto de um avanço de 1,0% para aumento de 0,7%. A taxa de agosto ante julho passou de 0,3% para 0,2%.

Média Móvel Trimestral

O índice de média móvel trimestral das vendas do comércio varejista restrito recuou 0,4% em outubro. No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, o índice de média móvel trimestral das vendas teve uma queda de 0,2% em outubro.

Black Friday

A expectativa pelas promoções anunciadas para a Black Friday, campanha de promoção de vendas no varejo celebrada no fim de novembro, pode ter levado os consumidores a adiarem suas compras em outubro, segundo Isabella Nunes, gerente na Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"(O resultado de) Outubro mostra que volume de vendas do varejo teve perda de ritmo. Tanto na comparação com mês anterior como no mesmo mês do ano passado. Na comparação com outubro do ano passado, as atividades mostraram taxas de crescimento menores em relação ao desempenho de meses anteriores", lembrou Isabella.

Em relação a outubro de 2016, o varejo teve uma alta de 2,5% em outubro deste ano, o menor avanço desde abril.

Segundo a pesquisadora, a expectativa pela Black Friday já afetou as vendas de outubro em anos passados, assim como as de dezembro. Em outubro, há redução da demanda por conta da expectativa pelas promoções anunciadas, enquanto que as vendas tradicionalmente feitas em dezembro são impactadas por uma antecipação de compras na Black Friday em novembro.

"Em outubro é por conta da expectativa, e em dezembro é porque o consumidor tem que reorganizar os pagamentos e as compras feitas, pagar o cartão de crédito...", disse ela.

A Pesquisa Mensal de Comércio tem ajuste sazonal, mas Isabella explica que ainda não há informações suficientes para mensurar e neutralizar o impacto do evento sobre o varejo.

"Começou em 2010 como uma proposta, mas só em 2014 é que (a Black Friday) ganhou força. Não tem observações suficientes para neutralizar o impacto na série com o ajuste sazonal", afirmou.