Negócios

Vendas do Dia das Crianças recuam 4,2%


Foi a maior queda já registrada desde 2008. Como consequência, o faturamento do varejo para a data caiu 3,9%


  Por Redação DC 13 de Outubro de 2016 às 16:05

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


As vendas do comércio para o Dia das Crianças recuaram 4,2% na comparação com igual data do ano passado. Foi o pior desempenho da série histórica, iniciada em 2008, informa a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

 A FecomercioSP estimou que o faturamento total no varejo foi 3,9% menor do que em 2015 (descontada a inflação), cerca de R$ 2,2 bilhões a menos do que no ano passado. 

A queda das vendas no Dia das Crianças acompanha o recuo generalizado da atividade econômica, influenciado pelos juros elevados, maior desemprego e cautela dos consumidores.
 
O cálculo do volume de vendas para esta data é baseado em uma amostra das consultas realizadas no banco de dados da Boa Vista SCPC, com abrangência nacional. 

Para este Dia das Crianças foram consideradas as consultas realizadas no período de 1 a 12 de outubro de 2015, comparadas às consultas realizadas no mesmo período do ano anterior. 

A variação no faturamento real, por sua vez, é estimada com base na variação e na participação das consultas e na projeção da FecomercioSP para o faturamento da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE.

BIRÔS ESTIMAM QUEDA DE ATÉ 9,02%

Dados coletados na semana anterior ao Dia das Crianças, do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontam recuo de 9,02% nas vendas do comércio, na comparação com igual período de 2015.

A queda, de acordo com essa base de dados, é menos intensa do que outras verificadas neste ano, como no Dia das Mães (-16,40%) e Dia dos Namorados (-15,23%).

Para a Serasa Experian, que verificou a atividade do comércio para o Dia das Crianças no mesmo período que o SPC, a queda foi de 8,1%, o pior desempenho desde o início da série, em 2006.

A tendência de alta do desemprego no país e o poder de compra enfraquecido pela alta inflação, avalia a empresa, em nota, são fatores que influenciam negativamente o movimento dos consumidores. Por serem uma prévia das vendas de fim de ano, a Serasa sinaliza que as vendas de Natal de 2016 também devem diminuir ante as do ano anterior.

IMAGEM: Thinkstock

*Com informações de Estadão Conteúdo






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade