Negócios

Vendas de Natal podem crescer 3%, estima a ACSP


A liberação dos saques do FGTS e o pagamento do 13º - inclusive no Bolsa-Família, pela primeira vez - devem puxar o resultado


  Por Karina Lignelli 28 de Novembro de 2019 às 06:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Seguindo o ritmo atual da economia, as vendas de Natal do comércio paulistano podem crescer 3%, em média ante igual período de 2018. A estimativa é da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). 

Devem puxar a alta a liberação dos saques do FGTS, os 13ºs - que incluem a extensão do abono de fim de ano para beneficiários do Bolsa-Família, recém-anunciada pelo governo -, e a queda das taxas de juros, que devem ter mais uma rodada de cortes, diz Marcel Solimeo, economista da ACSP.

LEIA MAIS:Natal deve gerar 91 mil vagas temporárias

"São fatores que podem acelerar o processo, mas não vão ficar muito acima disso", afirma. 

Assim como nos anos anteriores, a Black Friday, que será realizada nesta sexta-feira (29/11), deve canibalizar um pouco as vendas de Natal, de acordo com o economista. 

Porém, vale considerar as duas datas em conjunto, já que boa parte dos consumidores vai antecipar a compra de bens de maior valor, atraídos pelas condições especiais e os descontos. Já o Natal é mais amplo, diz Solimeo, pois vai muito além da compra de presentes e de itens para a ceia.

"Muitas pessoas aproveitam a renda extra do 13º para comprar coisas que precisam, como artigos para o lar, roupas para os filhos e até fazer reformas - o que deve favorecer a alta nas vendas."

FOTO: Thinkstock