Negócios

Varejo sofre com economia estagnada, mas ensaia recuperação


Nos últimos 12 meses, as vendas no Estado de São Paulo acumulam queda de 4,6% segundo Boletim ACVarejo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


  Por Redação DC 30 de Maio de 2017 às 18:36

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O varejo paulista registrou queda de 3,9% nas vendas em março, na comparação com igual mês do ano passado, segundo o Boletim ACVarejo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). São dados que englobam o chamado varejo ampliado, que inclui concessionárias de veículos e lojas de materiais de construção. 

Dos nove segmentos analisados, apenas três obtiveram resultados positivos: concessionárias de veículos, com alta de 1,3%, lojas de departamentos, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, com avanço de 16,9%, e lojas de vestuários e calçados, com alta de 1,9%.

No acumulado do ano, até março, a queda é de 4,2%. De acordo com o boletim da ACSP, as vendas fracas são o resultado do aumento do desemprego e redução da renda, além da menor disponibilidade de crédito no mercado, fatores que “minam a confiança do consumidor”.

Ainda assim, segundo a ACSP, já é possível notar uma tendência de recuperação nas vendas, principalmente quando analisados os dados dos últimos 12 meses. Até fevereiro, essa comparação mostrava queda de 5,3% nas comercializações do varejo paulista. A mesma comparação, mas com o resultado fechado em março, mostra recuo menor, de 4,6%.

O boletim traz que a diminuição da intensidade na queda das vendas deve continuar a ser observada nos próximos meses “em função da intensidade das reduções futuras da taxa de juros por parte do Banco Central”.

FATURAMENTO

A queda nas vendas foi seguida de recuo no faturamento do varejo paulista. Na comparação entre março deste ano e igual mês de 2016, o recuo foi de 2,2%. No ano, a queda é um pouco menor, de 1,2%. 

Já nos últimos 12 meses terminados em março houve alta de 2,1%, com destaque para o segmento de farmácias e perfumarias, que no período registrou crescimento de 7,4% no faturamento, e supermercados, com elevação de 7,1%.

CAPITAL

Os resultados do varejo ampliado da capital paulista costumam ser piores que os do Estado, como é possível observar mais uma vez no Boletim ACVarejo. Na comparação entre março deste ano e igual mês de 2016, a queda foi de 5,7%. No ano, até março, as vendas paulistanas recuaram 5,4%. Nos últimos 12 meses, a queda foi de 5,8%.

CLIQUE AQUI PARA LER NA ÍNTEGRA O BOLETIM ACVAREJO

IMAGEM:Fatima Fernandes/DC






Publicidade






Publicidade









Publicidade