Negócios

Varejo paulistano antecipa as megaliquidações


Apesar do foco das liquidações de início de ano mirar em eletrodomésticos e eletrônicos, as montadoras também aproveitam o embalo para desovar estoques


  Por Estadão Conteúdo 04 de Janeiro de 2017 às 10:29

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A aposentada Miriam Freire frequentadora assídua das promoções de início de ano, é outra consumidora que vai gastar menos este ano.

Nesta terça-feira (3/01), numa loja Carrefour na zona norte da capital paulista, que faz um saldão anual de bazar, eletrodomésticos e têxteis até hoje, quarta-feira, ela planejava desembolsar R$ 300 a menos que em 2016.

"No Natal do ano passado, a gente já economizou o quanto podia. Compramos lembrancinhas só para as crianças - e nada muito caro. Esperamos os saldões de janeiro para pesquisar o preço de um micro-ondas e de uma batedeira."

Escaldado pela crise, a cautela nas compras predominou entre os consumidores ao longo de 2016.

Com isso, o faturamento do comércio caiu, os lojistas anteciparam a Black Friday e fizeram liquidações antes mesmo do Natal. Nos saldões de janeiro, o comportamento dos comerciantes não foi diferente.

A Via Varejo, dona das bandeiras especializadas em móveis e eletroeletrônicos Casas Bahia e Ponto Frio, por exemplo, antecipou para segunda-feira, 2 de janeiro, o saldão marcado para sexta-feira, dia 6, quando ocorre a "Liquidação Fantástica" da concorrente Magazine Luiza.

Segundo o diretor de operações da Via Varejo, Marcelo Rizzi, a decisão de antecipar o evento foi tomada porque a mesma estratégia foi adotada na Black Friday e proporcionou melhores resultados.

"As vendas aumentaram e o consumidor foi melhor atendido."

O executivo não revela as metas de venda para o saldão, que vai até sábado, mas destaca que elas são agressivas.

Segundo ele, as centenas de produtos oferecidos com descontos nas lojas físicas e no site resultam de negociações fechadas com a indústria especialmente para o evento e não se trata de sobras do Natal.

No entanto, a economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Izis Ferreira, observa que a tática de antecipar liquidações e promoções pode refletir vendas de Natal aquém do previsto.

Nas projeções da CNC, que aguarda dados oficiais do IBGE para confirmar as estimativas, as vendas de Natal do varejo restrito, que não inclui veículos e materiais de construção, devem ter recuado 4% em 2016.

A economista lembra que 2016 foi um ano de ajuste de estoques, que o comércio trabalhou com o cenário de um Natal fraco e mesmo assim deve ter havido sobra de produtos.

Os dados dos estoques de dezembro compilados pela CNC serão conhecidos na próxima semana.

PRAZOS

Além de antecipar as liquidações, há lojas que dilataram os prazos de pagamento dos produtos em oferta.

O Extra, por exemplo, que inicia o saldão nesta quarta-feira, 4/01, e vai até domingo, informa que está parcelando em até 20 vezes, sem juros, no cartão próprio as compras de eletrônicos. No ano passado, esse parcelamento tinha o prazo máximo de 18 vezes.

Apesar de o foco das liquidações de início de ano estar em eletrodomésticos e eletrônicos, as montadoras também aproveitam o embalo para desovar estoques.

A Volkswagen, por exemplo, inicia o ano com uma campanha de descontos agressivos, com veículos modelo 2017 e fabricados em 2016.

Normalmente, as montadoras de veículos não abrem o ano com promoções. Um exemplo de oferta é o Fox 1.6, na versão Trendline.

O carro, cujo preço de lista é R$ 50.662, está na promoção por R$ 45.887, nas concessionárias da Região Sudeste. O desconto é de 9,4%. O corte no preço é o esforço do setor para rebater a queda na venda.






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade