Negócios

Varejo de São Paulo deve fechar 2015 com pior resultado em 21 anos


As vendas na capital paulista apresentam queda de quase 7% no ano até novembro. A Black Friday até que ajudou a segurar o resultado do mês passado. O receio é que tenha apenas antecipado as vendas de Natal


  Por Redação DC 01 de Dezembro de 2015 às 17:52

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O varejo da cidade de São Paulo deve fechar o ano acumulando o pior resultado para as vendas desde o início do Plano Real, em 1994. Números compilados pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) até novembro mostram queda de 6,95% no ano, patamar dificilmente revertido pelas comercializações de dezembro na avaliação da entidade.

Ao longo desses 21 anos o varejo paulistano só havia experimentado quedas anuais nas vendas apenas três vezes. Em 1999, período da crise nos países asiáticos e na Rússia, quando o recuo foi de 5,9%; em 2003, no primeiro ano do governo Lula, com queda de 1,4%; e em 2009, quando a crise financeira global fez as vendas caíram 3,7%.

“Se formos mais para trás vamos achar números piores, como durante o Plano Collor, quando tivemos quedas de 20% nas vendas. Mas se não recuarmos muito, o que temos hoje é o pior resultado desse período mais recente da economia, marcado pelo Plano Real”, disse Emilio Alfieri, economista da ACSP.

LEIA MAIS: De volta à crise, depois da Black Friday e do Natal

O economista espera mais um leve recuo no desempenho de dezembro, o que fará com que o varejo paulistano acumule uma queda em torno de 7% em 2015. No ano passado, na comparação com 2013, houve alta de 1,7% nas vendas.

A queda de 6,95% no acumulado até novembro é a média resultante da queda de 6,2% nas vendas a prazo e de 7,7% nas vendas à vista.

EFEITO BLACK FRIDAY

Já na comparação entre novembro e outubro o resultado das vendas do varejo paulistano é positivo, com alta de 2,7% na passagem de um mês para o outro. A elevação foi considerada surpreendente, uma vez que outubro é forte para as vendas por abrigar o Dia das Crianças, uma das melhores datas para o varejo.   

Segundo Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), as vendas de novembro foram impulsionadas pelas promoções da Black Friday, evento que, neste ano, extrapolou a internet, sendo abraçado em peso também pelo varejo físico. 

“A Black Friday ajudou a salvar novembro, mas resta saber se essas vendas não anteciparam as de Natal, o que comprometeria o final do ano”, disse Burti.

O presidente da ACSP lembrou ainda que o varejo físico vem investindo em liquidações e promoções para tentar vender em uma economia recessiva, sendo que o mote da Black Friday ajudou a fortalecer essas campanhas promocionais. 

Desmembrando as vendas realizadas em novembro observa-se alta de 11,3% entre aquelas feitas à vista e queda de 5,9% para aquelas realizadas a prazo. A média desse dois sistemas resulta na alta de 2,7% ante outubro.

Porém, com relação a novembro de 2014 ocorreu queda de 11,5% nessa média. 

 

FOTO: ESTADÃO CONTEÚDO