Negócios

Uma pequena empresa no São Paulo Fashion Week


Amabilis, marca do interior do Espírito Santo, é a novata que disputa espaço entre marcas e estilistas consagrados


  Por Thais Ferreira 26 de Abril de 2016 às 16:14

  | Repórter tferreira@dcomercio.com.br


Se você observou as roupas usadas pelas atrizes Taís Araújo e Camila Pitanga ou pela jornalista Fátima Bernardes, provavelmente tenha se deparado com as camisas, vestidos e calças da Amabilis mesmo sem saber.

Depois dessas aparições discretas na televisão, a marca vai alçar vôos mais altos.

A pequena empresa ultrapassou as fronteiras da cidade de Colatina, a 130 km de Vitória, para ganhar as passarelas do São Paulo Fashion Week (SPFW) – o mais importante evento de moda do país.

PRIMEIROS PASSOS

Fundada em 1998, por Luiz Carlos Guidoni e Robson Santos, a Amabilis começou de forma improvisada.

Na época, Guidoni era funcionário público em um banco e Santos estava desempregado. Juntos decidiram abrir uma pequena confecção de roupas. Detalhe: nenhum dos dois tinha experiência com esse mercado e contavam apenas com capital próprio.

Esses obstáculos iniciais não assustaram os sócios. As informações e a inspiração necessárias estavam muito perto: Colatina é considerada um dos principais pólos têxteis do país. “Somos autodidatas. Fomos aprendendo com pessoas mais experientes e participando de eventos do setor”, afirma Guidoni.

O nome da marca foi inspirado no nome de sua bisavó, chamada Amabile. Um professor de latim sugeriu a adaptação do nome e os sócios adotaram.

Nos primeiros anos, a empresa ainda estava irregular e Guidoni se dividia entre suas seis horas diárias de funcionalismo público no banco e seu próprio negócio. As primeiras clientes eram sacoleiras que buscam roupas para vender em outras cidades e tudo era feito em consignação.

Após quatro anos, ele teve que tomar a mesma decisão que a maioria dos empreendedores: largar o trabalho estável para se dedicar totalmente ao seu sonho.  

LUIZ GUIDONU E ROBSON SANTOS: FUNDADORES DA AMABILIS. Foto: Regiane Estima

DE COLATINA ATÉ O SPFW

Depois desses primeiros anos difíceis, a marca começou a deslanchar. Mas não é tão fácil assim ter sucesso nesse mercado. Chegar ao São Paulo Fashion Week exigiu trabalho duro e mudanças significativas dentro da empresa.

A oportunidade surgiu quando os sócios ficaram sabendo do Top Five – uma parceira entre o Sebrae e o Instituto Nacional de Moda e Design (IN-MOD). O objetivo desse projeto é impulsionar pequenas empresas do setor de moda que têm potencial para atingir o mercado de luxo.

O programa selecionou cinco empresas que faziam parte do Sebrae para receberem dez meses de consultorias para aprimorar a gestão da empresa. “Durante o processo, os empresários tiveram que focar em três áreas: desenvolvimento de produtos, gestão de marca e aperfeiçoamento comercial”, diz Roberta Aviz, gestora de moda do Sebrae.

De acordo com Guidoni, esse período de aperfeiçoamento foi fundamental para o crescimento da empresa. “Aprendemos que temos que quebrar vícios para tornar o produto mais atraente e que é preciso ter novas formas de comercializar nossos produtos.”

Após esse longo período de consultorias, as empresas foram julgadas por uma comissão que selecionou qual delas participaria do São Paulo Fashion Week. “A Amabilis foi escolhida porque sobressaiu na criação de produtos diferenciados. Além disso, a marca tem uma produção muito organizada”, afirma Roberta.

Um dos critérios utilizados foi o potencial de crescimento da produção após o evento, uma vez que após o SPFW o número de pedidos tende a subir. A empresa de Colatina era a que tinha mais condições de atender esse aumento da demanda.

“Ficamos muito contentes. O São Paulo Fashion Week conta a história da moda brasileira”, diz Guidoni. “Somos uma marca de características regionais e, agora, teremos a oportunidade de aparecer a nível nacional.”

Hoje, a Amabalis está presente em 50 multimarcas, além de ter uma loja própria e quatro franquias. Com a participação no SPFW e as consultorias do Sebrae, os sócios acreditam que devem ter um crescimento de 20%nas vendas neste ano.

DESFILE

Na passarela da cidade paulistana, o desfile da pequena empresa capixaba fez bonito. A apresentação contou com uma orquestra tocando ao vivo e uma cantora lírica. A coleção misturou processos artesanais e tecnologia. A inspiração veio do mar. A referência podia ser observadas em detalhes que lembravam redes de pesca e nos bordados de algas de corais.

“Nós criamos peças para uma mulher prática e objetiva, por isso nossa matéria-prima é principalmente de tecidos esportivos”, afirma Guidoni. “Mesmo com foco na praticidade, damos atenção ao bom caimento e à feminilidade.”

Foto: Rafael Fonti