Negócios

Toyota vai investir R$ 1 bilhão na produção de novo modelo no Brasil


O Yaris é produzido na China, em Taiwan, na Tailândia e na França. No Brasil será desenvolvida uma nova geração do modelo que ainda será lançada globalmente


  Por Estadão Conteúdo 26 de Setembro de 2017 às 08:37

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A Toyota anunciou investimento de R$ 1 bilhão na fábrica do grupo em Sorocaba, interior de São Paulo, para a produção do Yaris, modelo de médio porte que vai se posicionar entre o compacto Etios e o sedã Corolla.

A fabricação terá início no segundo semestre de 2018 e vai gerar 500 novos empregos, 200 dos quais pelos fornecedores de componentes que atuam ao redor da planta fabril.

Esse é o segundo anúncio de investimento da marca japonesa em menos de um ano. O anterior foi de R$ 600 milhões, para a ampliação da capacidade produtiva da fábrica de motores em Porto Feliz (SP), de 108 mil para 174 mil unidades ao ano, a partir de 2019. Desde 2012, o grupo investiu R$ 4,2 bilhões no País.

“A fábrica de motores, inaugurada no ano passado, é a mais moderna do grupo no mundo”, diz o presidente da Toyota no Brasil, Rafael Chang.

LEIA MAIS: Carros mais modernos e equipados. É o que querem os consumidores

Ele ressalta que, além dos novos aportes, a empresa “não demitiu nenhum funcionário durante o período de retração do mercado”. O grupo emprega atualmente 5.850 trabalhadores em quatro unidades.

As fábricas de Indaiatuba, onde é produzido o Corolla, a de Sorocaba, que hoje faz apenas o Etios, e a de motores operam com capacidade plena, em dois turnos, informa Chang, que assumiu o posto no início deste ano. “Dependendo da recuperação do mercado, vamos avaliar se precisaremos de um terceiro turno”.

O Yaris é produzido na China, em Taiwan, na Tailândia e na França. No Brasil será desenvolvida uma nova geração do modelo que ainda será lançada globalmente. Terá versões hatch e sedã e terá entre seus principais concorrentes o novo Polo (lançado oficialmente ontem) e o Virtus (que chegará ao mercado no início de 2018), ambos da Volkswagen, e o Argo, lançamento recente da Fiat. 

Chang citou ainda as perspectivas com o Rota 2030, novo programa automotivo que substituirá o Inovar-Auto. “Tenho certeza de que será ainda mais importante para a indústria brasileira, pois trará diretrizes relevantes para o setor focadas em tecnologia e eficiência energética, permitindo maior competitividade dos nossos produtos.”

Apesar de o novo programa favorecer modelos menos poluentes, como o híbrido Prius, Chang afirma que a produção desse modelo ainda não está prevista para o Brasil, embora há estudos de sua viabilidade.

“Se pudéssemos utilizar ferramental usado, ou mesmo robôs usados, talvez fosse viável”, afirma o presidente do grupo para América Latina e Caribe, Steve St. Angelo [na foto que abre esta reportagem].

“Como o volume de produção inicialmente seria baixo, não é possível investir agora em novos equipamentos para todo o processo produtivo.”

De janeiro a agosto a Toyota vendeu no mercado brasileiro 123 mil veículos, 3% a mais que em igual período do ano passado. O mercado total de automóveis e comerciais leves cresceu 5,9% no período, para 1,382 milhão de unidades.

A participação da marca nas vendas saltou de 3,1% em 2012 para 8,6% neste ano.

FOTO: Divulgação