Negócios

Supermercados acumulam alta de 2,26% nas vendas até abril


Efeito calendário ajudou a puxar o resultado positivo nos quatro primeiros meses do ano, segundo a ABRAS


  Por Redação DC 31 de Maio de 2019 às 16:06

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Até abril, o setor supermercadista brasileiro acumula, alta real de 2,26% deflacionadas pelo IPCA/IBGE, de acordo com o Índice Nacional de Vendas ABRAS, apurado pelo Departamento de Economia e Pesquisa da entidade. No mês passado, as vendas apresentaram queda real de -2,42% na comparação com março e alta de 8,05% em relação a abril de 2018.  

De acordo com João Sanzovo Neto, presidente da ABRAS, a queda mensal foi influenciada pelo efeito calendário. "Em março, tivemos um final de semana a mais que em abril. Pode parecer pouco, mas as vendas dos supermercados apresentam grande concentração nesses dias", afirma. "No acumulado, após o efeito calendário da Páscoa, o fechamento do quadrimestre apresentou resultado positivo, voltando ao patamar do primeiro bimestre de 2019, acima dos 2,00%”, completa.

Sanzovo ressalta, ainda, que, como é feito tradicionalmente pela entidade, no mês de julho a ABRAS irá divulgar o fechamento das vendas do primeiro semestre, e também, se irá manter ou revisar a projeção inicial de crescimento do setor para o ano, de 3,00%.

ABRASMERCADO E REGIÕES 

Em abril, a cesta de produtos Abrasmercado, pesquisada pela GfK e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da ABRAS, registrou alta de 0,61%, passando de R$ 482,07 para R$ 485,03. No acumulado dos últimos 12 meses (abril 2019/abril 2018), a cesta apresentou crescimento de 10,10%.

As maiores quedas de preço no mês de abril foram registradas nos produtos: feijão, farinha de mandioca, açúcar e desinfetante. As principais altas foram nos itens: tomate, cebola, ovo e batata.  

No recorte por regiões, a única região que apresentou queda no preço da cesta Abrasmercado em abril foi a Sudeste, -0,45%, com o valor de R$ 473,78, impulsionada pela Grande Rio de Janeiro, -1,51%. A maior variação foi registrada na Região Sul, 2,41%, chegando a R$ 532,79, impactada, principalmente, pela Grande Porto Alegre, que registrou alta de 2,77% nos preços. 

FOTO: Pixabay