Negócios

“Sou empreendedor desde os cinco anos”


Helio de Souza, foto, é o dono da Imersa Auditoria, com faturamento de R$ 500 mil anuais. Sua trajetória de empreendedor virou tema do livro “Inspiração”


  Por Wladimir Miranda 20 de Agosto de 2019 às 16:22

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


“O ser humano só está preparado para as conquistas depois de ter passado por uma grande jornada”. A frase está na home do site www.imersaauditoria.com.br e é um dos mandamentos de José Helio de Souza, 45 anos, o dono da empresa, localizada em Santana, na Zona Norte de São Paulo, especializada em auditorias em condomínios e que também presta serviços de consultoria, em condomínios, indústria, comércio e entidades sem fins lucrativos.

Helio Souza, é assim que ele prefere ser chamado, gosta de dizer que é o CEO - Chief Executive Officer, diretor executivo em português -, da Imersa, hoje com um faturamento anual de R$ 500 mil.

“Tivemos um crescimento notável. No primeiro mês, R$ 70 mil, R$ 120 mil no segundo, R$ 200 mil no terceiro mês. Chegamos aos R$ 500 mil. Em breve vamos começar a dar aulas para síndicos. A minha vivência mostra que muitos síndicos conhecem o trabalho que fazem, mas não sabem transmitir seus conhecimentos. Também vamos dar aulas de leis condominiais”, avisa ele.

Helio diz que é empreendedor desde os cinco anos de idade.

“Minhas vizinhas pediam para que eu fosse ao mercado, à padaria, para comprar coisas para ela e me davam moedas. Eu não gastava com qualquer coisa. Guardava para comprar roupas para mim, ou ajudava a minha família no sustento da casa. Sou empreendedor desde os cinco anos de idade”, diz ele, filho de pais nordestinos.

O pai, trabalhador na construção civil. A mãe, do lar.

Antes de ter uma empresa que faz auditorias em condomínios, ele trabalhou na PrincewaterhouseCoopers, conhecida por PWC, uma das maiores prestadoras de serviços profissionais no mundo nas áreas de auditoria, consultoria e outros acessórios para todo tipo de empresas no mundo inteiro.

“A Imersa mostra ao cliente, por meio de ações concretas, que o investimento na auditoria ou consultoria é essencial, não só pelo retorno financeiro, mas principalmente pela segurança em saber que os resultados são alcançados com excelência”, avisa Helio, dono de um currículo vasto.

CURSO NO SEBRAE

É bacharel em ciências contábeis, MBA em administração e finanças pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), síndico profissional, colunista do blog: solucaoparacondomínio.com.br e da revista Direcional Condomínios e membro do grupo de networking Teco (Sebrae).

A folha de pagamentos da Imersa, com sete funcionários fixos, gira em torno hoje de R$ 30 mil.

“Dou preferência para funcionários com 30, 40 anos de idade, ou mais. Dou muito importância à experiência”, avisa.
“Encontrei o meu caminho”, afirma.

Helio é um dos personagens do livro Inspiração – histórias para transformar sua vida e tocar fundo no seu propósito -, publicado pela Editora 3PS, que relata histórias de empreendedores vencedores.

É também palestrante muito requisitado para contar a sua trajetória até ser o CEO da Imersa.

“A pessoa tem de saber qual é o sonho dela. Não pode ficar na plateia, tem de estar de ser ativo, no centro dos acontecimentos. Em minhas palestras, gosto de dizer que para ajudar alguém, a pessoa precisa antes se ajudar. Ou seja, ela precisa se ajudar para poder ajudar o outro”, discursa ele.

Helio nasceu no pequeno município de Maripá, anexada ao à cidade de Palotina, no Paraná. O pai, paraibano, e a mãe, pernambucana, deixaram o Nordeste para tentar arrumar emprego em São Paulo. Mas “acabaram ficando no paraná”, conta Helio.

Lá, criaram os quatro filhos, Helio é o do meio. Como a vida também estava difícil, no Paraná, os pais de Helio resolveram concluir o trajeto planejado antes e desembarcaram em São Paulo.

O destino foi a Zona Norte de São Paulo.

“O meu pai foi trabalhar na construção civil. Ele era analfabeto, mas como sabia assinar o nome, dizia que era alfabetizado”, recorda Helio.

Aos 12 anos, começou a trabalhar em uma marcenaria. Aos 16, foi ser office-boy em uma seguradora. Com o dinheiro, pouco, que ganhou como empregado, começou a estudar ciências contábeis.

APROVADO PELA PWC

Um dia, ficou sabendo por uma amiga que estava acontecendo um processo de seleção no Colégio São Luiz, na região da Avenida Paulista.

Em meio a outros 70 mil currículos, o dele foi chamado pela PWC para fazer testes. Na redação, de tema livre, ele resolveu escrever sobre alíquota de importação. Foi aprovado.

Trabalhou 19 anos na PWC. Chegou a gerente sênior da empresa, com um salário de R$ 15 mil. A sua renda e a da esposa eram suficientes para que levassem uma vida tranquila, com direito a uma boa casa e bons carros na garagem.

Um dia ele resolveu sair. Concluiu que não era estabilidade que procurava.

“Trabalhar com registro em carteira não é ruim, desde que você queira levar uma vida linear. Não era e não é o meu caso. Sou empreendedor”, diz.

Como morador de um prédio na Zona Norte, um dia foi participar da reunião de condomínios. Percebeu que o prédio estava muito mal administrado. Então, começou a se envolver com os problemas condominiais. Virou subsíndico. Depois, síndico”.

Os relacionamentos na área de auditoria foram aumentando e então resolveu seguir os conselhos de um amigo e abrir a sua própria auditoria. Nasceu a Imersa.

“A Imersa tem três pilares: elaboração de demonstrações financeiras, fusões e aquisições de empresas. Mas posso garantir que 90% do que faço aqui está relacionado com auditoria em condomínios”, conta ele, que foi morar fora do pais para aperfeiçoar o inglês.

Ele fala com muito entusiasmo dos cursos que fez no Sebrae, principalmente o Empretec.

“Neste curso, a pessoa vive todas as características do empreendedor que está dentro dela”, garante.
Também fez curso de PNL, Programação Neurolinguística.

“Este curso me ensinou muito. Principalmente entender as pessoas e me aproximar delas, sem atrito”, diz.

SÓCIO E DIRETOR DA ACSP

Outra entidade que Helio aprendeu a admirar é a Associação Comercial de São Paulo (ACSP).
Ele é sócio e diretor da Distrital Nordeste, da Vila Maria.

“Temos um grupo de empreendedores que faz reuniões na Distrital Nordeste. O trabalho da Associação Comercial só merece elogios. O pequeno e médio empreendedor é muito bem recebido na ACSP”, afirma ele.

FOTO: Wladimir Miranda