Negócios

Shoppings preveem alta de 28% na contratação de temporários


Expectativa acompanha ritmo positivo de vendas do setor, que encerrou agosto com alta de 5,7% em comparação com o mesmo período de 2018, de acordo com a Abrasce


  Por Redação DC 11 de Outubro de 2019 às 09:49

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


De acordo com dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), as contratações de temporários para o último trimestre do ano devem aumentar 28% em comparação com o mesmo período de 2018. Os novos empregos deverão atender à demanda do setor para três grandes datas do varejo: Dia das Crianças, Black Friday e Natal.

A pesquisa também apontou que as categorias que deverão alavancar as contratações são lojas de calçados (65%), vestuários (62%) e brinquedos (57%).

Para o presidente da Abrasce, Glauco Humai, os dados demonstram o otimismo do setor para os três últimos meses do ano, em especial para importantes datas comemorativas do varejo.

“Inflação controlada, ligeira queda nos índices de desemprego, aumento do volume de crédito, ao lado dos saques dos recursos do FGTS, atuam positivamente sobre a confiança do consumidor e sobre o consumo das famílias. Este cenário só reforça a trajetória ascendente que vem sendo apresentada pelo setor ao longo do ano”, conclui o executivo.

VENDAS EM AGOSTO

O otimismo do setor na reta final de 2019 acompanha os resultados positivos de vendas do segundo semestre. Em agosto, a receita de vendas dos shoppings cresceu 5,7%, em comparação com o mesmo período do ano passado. O acumulado do ano, de janeiro a agosto, soma 8,3% de crescimento em relação ao mesmo período de 2018. Os dados são do Índice Cielo de Varejo em Shopping Centers -- Abrasce (ICVS-Abrasce).

No mês analisado, o destaque foi para a região Norte, que passou dos 8,2% de receita de vendas em julho para 13,2% em agosto. Em seguida, as regiões com maior índice de vendas foram: Sudeste (6,6%), Centro-Oeste (5,2%), Nordeste (4,9%) e Sul (3,7%). O ticket médio chegou a R$ 97,70, número 40% maior em comparação com as lojas de rua.