Negócios

Setor de cosméticos espera crescer entre 1% e 3% em 2017


Boa perspectiva para as vendas em datas sazonais pode ajudar o setor. No entanto, ainda há incertezas quanto o cenário político, que pode minar a confiança do consumidor


  Por Estadão Conteúdo 20 de Setembro de 2017 às 14:40

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O setor de cosméticos, higiene e perfumaria pode crescer entre 1% e 3% em termos reais em 2017, de acordo com a expectativa da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

A informação foi dada pelo presidente da entidade, João Carlos Basilio, durante abertura da feira in-cosmetics, em São Paulo.

A avaliação de Basilio é de que o ritmo de crescimento real, descontada a inflação, ainda vai depender da evolução das vendas de final de ano. Ele disse que existe boa perspectiva para as vendas em datas sazonais, mas ponderou que ainda há incertezas quanto ao risco de impactos das turbulências no cenário político na confiança dos consumidores.

VEJA MAIS: A segunda chance da Lush: o que aprender com o renascimento da marca no Brasil

O executivo ainda afirmou que o setor deve recuperar o posto de terceiro maior mercado do mundo para essa indústria. Atualmente, o País é o quarto colocado e está atrás do Japão, da China e dos Estados Unidos.

O Japão passou à frente do mercado brasileiro em participação no consumo mundial de produtos de higiene, perfumaria e cosméticos recentemente, mas a avaliação de Basilio é de que essa alteração ocorreu em parte por mudanças cambiais e que isso pode se reverter em 2018.

Basilio considerou que a indústria sofreu ao longo do período de recessão da economia brasileira. Além da queda no consumo, ele destacou a elevação de carga tributária sobre as empresas.

Entre os impactos tributários, o setor passou por uma mudança na cobrança de PIS/Cofins, que passou a incidir também sobre as distribuidoras, além de elevação de impostos estaduais sobre vários produtos.

IMAGEM: Thinkstock