Negócios

Setembro começa com vendas em queda em SP


Na primeira quinzena deste mês, vendas caíram 11% sobre igual período do ano passado e 9,4% sobre os primeiros 15 dias de agosto, revela levantamento


  Por Fátima Fernandes 16 de Setembro de 2015 às 19:29

  | Editora ffernandes@dcomercio.com.br


As vendas do comércio da cidade de São Paulo caíram 11% na primeira quinzena deste mês sobre igual período do ano passado e 9,4% em relação a igual período do mês passado, segundo levantamento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Após a divulgação de sucessivos indicadores negativos, apareceu um dado positivo neste mês. As vendas a prazo, que indicam, principalmente, o movimento nas lojas de móveis e de eletroeletrônicos, subiram 1,8% nos primeiros quinze dias de setembro sobre igual período de agosto.

Para Emílio Alfieri, economista da ACSP, este, na verdade, não é um dado para se comemorar, ainda. Reflete, na sua avaliação, uma antecipação de compras de produtos que estão mais atrelados ao comportamento do dólar.

“Quem pretendia adquirir esses produtos no final de ano pode estar antecipando a compra porque prevê alta de preços e do dólar”, afirma o economista.

Na comparação com a primeira quinzena de setembro do ano passado, porém, as vendas a prazo caíram 14,2%. E as vendas à vista, nos primeiros quinze dias deste mês, diminuíram tanto em relação a igual período de agosto (20,6%) quanto na comparação com igual período de 2014 (7,7%).

“As vendas estão caindo de forma geral, principalmente, porque o crédito está mais caro e mais escasso e o consumidor está inseguro e muito mais cauteloso com os gastos. Não quer mais se endividar. É um momento de incerteza”, afirma Alfieri.

Em setembro, tradicionalmente, as vendas à vista são menores do que as de agosto. Nos últimos três anos, diz Alfieri, essa queda tem sido de 21%, em média. Isso acontece porque, em agosto, as vendas são maiores por conta do Dia dos Pais.

O que também prejudicou as vendas neste mês, segundo o economista, foi a baixa temperatura, que desestimulou as vendas da coleção Primavera - Verão, que acaba de chegar às lojas.

De janeiro a agosto, as vendas do comércio em São Paulo caíram 4,7%, na comparação com igual período do ano passado. Se a crise se aprofundar por conta do aumento dos juros e da inflação, as vendas no comércio de São Paulo devem cair cerca de 5% neste ano em relação a 2014.       

INADIMPLÊNCIA EM ALTA

A ACSP também identificou que, neste mês, o consumidor enfrenta dificuldade para pagar as contas. Na primeira quinzena de setembro, o número de carnês em atraso subiu 2,5% na comparação com igual período do mês passado.

“O consumidor não está conseguindo nem pagar a conta de água e de luz, por isso o dado negativo não causa surpresa”, afirma Alfieri.

Na comparação com igual período do ano passado, o número de carnês em atraso diminuiu 7,5% na primeira quinzena deste mês. Alfieri, diz, que, ainda assim, o lojista precisa ficar atento na hora de conceder o crédito, uma vez que a taxa líquida de inadimplência está subindo gradativamente neste ano.

Em agosto, era da ordem de 4,8%. Isto é de cada 100 carnês emitidos, 5 registravam prestação em atraso (acima de 30 dias). Em julho, este percentual era de 4,7% e, em agosto de 2014, de 4,6%.

O índice de inadimplência dos consumidores está subindo, mas ainda está abaixo da registrada em 2009, de 7,3%. “Mas essa taxa precisa ser bem acompanhada a cada mês.” Fica a recomendação do economista para os lojistas.