Negócios

Roupa é o presente preferido para o Natal


Levantamento do Mercado Livre revelou que 86% pretendem aproveitar as ofertas desta categoria. Consumidores irão gastar R$ 300, em média, por presente


  Por Mariana Missiaggia 21 de Dezembro de 2018 às 08:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


O varejo de moda terá mais destaque neste Natal. Um levantamento realizado pelo Mercado Livre encomendado ao Ibope Conecta, aponta que a categoria de roupas ocupa a primeira colocação no ranking dos itens mais considerados para a data. Na sequência, surgem calçados e produtos de beleza.

Na tentativa de desvendar o comportamento do consumidor durante o principal período de compras do varejo, a pesquisa também identificou que o consumo estará aquecido neste Natal: 86% pretendem presentear na data.

Deste total, a maioria (38%) pretende presentear quatro pessoas ou mais. Para Cristina Farjallat, diretora de marketplace do Mercado Livre, a expectativa para a data é, portanto, positiva.

Nas palavras da executiva, a pesquisa indica que o consumidor está se programando para as compras de Natal, inclusive em termos de variedade já que muitos pretendem comprar quatro ou mais presentes.

PROMOÇÕES DE ROUPAS ATRAEM CONSUMIDORES

“Podemos esperar um Natal aquecido para o varejo, tanto no meio físico, quanto no digital, e com tíquete médio mais elevado do que no ano passado”, diz.

MOVIMENTO NAS RUAS

Na região do Bom Retiro, conhecida especialmente pelas lojas de roupas femininas, os lojistas apostam nas compras de última hora para fechar o mês com vendas em alta.

A rua José Paulino é parada obrigatória para gente de toda parte do país visitar a capital, especialmente, para fazer compras. A dentista Samira Monteiro, 32 anos, mora em Araraquara e vem a São Paulo todo fim de ano para comprar presentes de Natal.

“Compro principalmente roupas femininas, blusas e vestidos em promoções para fazer valer a viagem. Para os homens, comprei camisas em atacado e valeu muito a pena. Tudo para presentear”, diz.

Neste ano, Samira disponibilizou R$ 1 mil para as compras –metade para itens pessoais. O restante do valor será gasto com presentes. “Estou gastando em média R$ 40 em cada presente”.

Na loja Gazzy, da rua Silva Teles, o carro-chefe é o jeans, vendido a partir de R$ 69,90. Faltando poucos dias para o Natal, Rute Assunção Silva, gerente da Gazzy, diz que o movimento ainda é baixo.

RUTE, DA GAZZY, EXPECTATIVA PARA CONSUMIDORES
DE ÚLTIMA HORA

A esperança é de que o último fim de semana seja mais movimentado e que o tíquete médio do ano passado se mantenha (R$ 300). 

Para Heloísa Fernandes, 38 anos, secretária executiva, visitar o endereço nas últimas semanas do ano já é uma tradição. Na opinião de Heloísa, na hora de presentear, roupas são mais baratas que brinquedos, perfumes e eletrônicos. 

Em oito presentes, a secretária gastou R$ 310. Comprou vestidos por R$ 30, blusas por R$ 20 e saias por R$ 35 - 70% mais barato do que se os itens fossem comprados em um shopping, segundo a consumidora. 

GASTOS  

A pesquisa do Mercado Livre também revelou que os consumidores irão gastar cerca de R$ 300 por presente, e a média de gastos geral será 10% maior neste ano –R$

481 – do que em relação ao ano passado, em que os participantes declararam ter gasto R$441.

Quando indagados diretamente se pretendem gastar mais ou a mesma coisa que no ano passado, a maioria dos respondentes (38%) disse que irá gastar mais neste Natal; 36% gastarão igual ao ano passado e 26% menos, apontando a redução de gastos em função da crise econômica como maior fator (48%).

PAGAMENTOS

Sobre a forma de pagamento, a maior parte (52%) declarou que irá utilizar o cartão de crédito, de forma parcelada. Boleto bancário (16%) e cartão de crédito com pagamento à vista (14%) praticamente empataram na segunda posição. Cartão de débito (7%), Dinheiro (5%) e transferência bancária foram os demais meios informados. O restante (6%) ainda não definiu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CANAIS DE COMPRAS  

Em relação ao canal para compras, o levantamento indicou que a preferência pelos varejos físico e virtual está balanceada: 55% pretendem comprar os presentes de natal na internet e 41% no comércio de rua.

Shoppings aparecem na terceira colocação, com 33%, e os que sinalizaram outro tipo de comércio somam 6%. Os que ainda não decidiram representam 16%. A questão permitia a seleção de até duas alternativas.

O levantamento foi feito com mil pessoas entre os dias 19 a 26 de novembro, e ouviu consumidores de ambos os sexos, maiores de 16 anos e pertencentes às classes A, B e C, de todas as regiões do País.

O canal virtual ganha vantagem entre os que ainda não compraram presentes (32%): 55% declararam que pretendem fazer as compras pela internet.

Na comparação com lojas físicas, o fator determinante para que as lojas online sejam as eleitas é a variedade de produtos, mencionada por 63% dos entrevistados. Além disso, menor preço (56%), possibilidade de comparação de valores (56%) e comodidade (49%) foram os fatores mais citados.

Já os adeptos dos espaços físicos adotam o modelo principalmente por ter a possibilidade de ver e comprar o produto na hora (51%) e de negociar o valor e a forma de pagamento (36%).

PESQUISAS 

Os sites de e-commerce e marketplaces são o mais utilizado para pesquisas online: 71% irão acessar esses canais para definir suas compras. Os sites de compras de lojas físicas aparecem com 58% e as redes sócias, 10%. Somente 1% afirmou que não pretende pesquisar os presentes de natal.

Quando o assunto é por qual meio os consumidores realizam as suas buscas, os celulares e smartphones lideram com 78%. Na sequência, foram mencionados os computadores (58%), tablets (9%) e SmarTVs (3%).