Negócios

Rede japonesa opta por franchising para se expandir pelo Brasil


Sem operar no e-commerce, a Miniso projeta encerrar 2018 com 100 unidades no país. Apesar da menor taxa de royalties, o investimento inicial de uma franquia é de R$ 1,5 milhão


  Por Karina Lignelli 13 de Junho de 2018 às 08:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


O investimento não é baixo: R$ 1,5 milhão. Mas a taxa de franquia é de R$ 40 mil ao ano, e os royalties têm um valor fixo mínimo de R$ 5 mil mensais, sem percentual sobre o faturamento, "para ajudar os franqueados a expandirem seus negócios", nas palavras do vice-presidente Ray Lei. 

Eis aí a estratégia da Miniso, rede japonesa de lojas do estilo tem-de-tudo - ou "100-yen", como é comumente chamada em seu país de origem -para crescer no Brasil, o primeiro país da América do Sul a contar com lojas da marca, onde espera fechar 2018 com 100 unidades franqueadas no Sul e no Sudeste.  

A rede chegou por aqui em agosto do ano passado com um modelo de expansão rápido e agressivo,  sempre em locais movimentados, fazendo concorrência à conterrânea Daiso e, recentemente, dividindo um pouco disso com as nacionais Allmini, Econômica e Lojas Mel.

Presente em 60 países e com mais de 2 mil lojas no mundo, a Miniso investe R$ 4 bilhões na expansão brasileira, mesmo em tempos de saída lenta e gradual da crise. 

"Acreditamos na recuperação dos mercados através do varejo", afirma Lei. "O Brasil é o quinto maior país do mundo, e enxergamos seu mercado como uma grande oportunidade." 

LEIA MAIS: Ele quer se tornar o rei das utilidades domésticas

O perfil perseguido pela Miniso, de acordo com Lei, é de franqueados com capital "apropriado" além de experiência acumulada em varejo.

Até agora, foram implantadas 10 lojas na capital e no ABC Paulista, e ainda neste semestre, serão fechados 50 contratos. A metade é de franqueados paulistas. 

INTERIOR DE UMA DE UMA LOJA DA MARCA

"Queremos investidores com credibilidade e que tenham interesse em nossa marca para expandir o negócio", diz Frank Wei, diretor da empresa no Brasil. Ele reforça que a aposta no país é grande, para que "os brasileiros consigam desfrutar dos produtos com qualidade e preço acessível."

De acordo com a empresa, o faturamento de uma franquia da marca pode variar entre R$ 400 mil a R$ 1 milhão, a partir de um ano e meio, aproximadamente. 

O FUTURO É A LOJA FÍSICA?

A expansão da Miniso no formato de franquias também tem a ver com outra estratégia da rede: crescer em sentido oposto ao do varejo como um todo e de outras empresas jovens como ela, que tem apenas cinco anos de atividades. Sem vender produtos online, nem entrar para e-commerce.

"As pessoas nunca vão se cansar de comprar nas lojas físicas", disse Ye Guofu, um dos fundadores da Miniso, a um jornal chinês de negócios. Ele acredita que as vendas físicas são o futuro e, nesse sentido, segundo afirmou, a Miniso está focada "em melhorar cada vez mais suas lojas." 

Criada por Guofu em parceria com o designer Miyake Junya, a filosofia da marca é celebrar o estilo de vida japonês, por meio de produtos simples e de qualidade.

Apesar de o Brasil representar apenas 1% dos US$ 10 bilhões líquidos do seu faturamento global, a perspectiva com o crescimento local da rede Miniso é encerrar 2018 com R$ 300 milhões em vendas no país, segundo Ray Lei.  

FOTOS: Divulgação