Negócios

Quem compra na Black Friday?


Conheça o perfil dos consumidores típicos dessa data do varejo que deve movimentar cerca de R$ 2,4 bilhões, de acordo com a Ebit


  Por Mariana Missiaggia 22 de Novembro de 2018 às 14:56

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Moradores da região Sudeste, entre 31 e 40 anos, da classe C e que já participaram de edições anteriores da Black Friday. Esse é o perfil majoritário de quem deve vasculhar a internet nas próximas horas em busca de boas oportunidades de compras.

Com a intenção de desvendar o perfil dos compradores típicos dessa data, a Social Miner, plataforma de automação de marketing para e-commerce, em parceria com outras startups, tem elaborado relatórios mensais que mapeiam a intenção de compra dos consumidores da Black Friday.

LEIA MAIS: 4 dicas para o lojista não errar na Black Friday

O levantamento mostra que 55,8% pretendem comprar no evento deste ano. A taxa sofreu uma queda de 4,4% em relação à pesquisa realizada no mês anterior.

No entanto, 31,8% dos consumidores ainda estão indecisos e não sabem se vão comprar na data. Outros 30,1% deixaram para acompanhar as promoções na última hora – seja uma semana antes (16,1%), na véspera (5,4%) ou mesmo no grande dia (8,6%).

LEIA MAIS: Associação Comercial lança Black Friday do Empresário

Neste cenário de pesquisa de preços, as redes sociais (54,5%) e os comparadores de preço (51,6%) são os principais canais escolhidos pelos consumidores para ficar de olho nas ofertas, sendo seguidos pelos comerciais de televisão (44,1%), alertas de preço (43,4%) e e-mails e notificações (38,4%).

A análise também aponta que a data vem ganhando representatividade entre os brasileiros, já que boa parte dos participantes disse fazer compras online com pouca frequência – pelo menos uma vez a cada 3 meses (24,6%), uma vez por mês (17,4%) ou mais de uma vez a cada mês (13,8%). Apenas 11,4% dizem nunca ter comprado online.

No entanto, 66% desses consumidores afirmaram já terem comprado em edições anteriores da Black Friday.

HOMENS X MULHERES

Com a proximidade da data comercial, o setor de moda e acessórios bateu uma taxa de 50,2% em intenção de compra, atingindo um crescimento de 9,3 pontos percentuais em relação ao estudo anterior.

Dividindo as categorias que os consumidores pretendem comprar de acordo com o gênero, nota-se que as mulheres concentram seus interesses nos setores de moda e acessórios, com 58,9% da intenção de compra, seguido por beleza e saúde, com 41%, e eletrodomésticos, com 35,7%.

LEIA MAIS: O que aprender com a Black Friday de 2017

Já os homens demonstram preferência por eletrônicos, com 66,41%, seguido por telefonia, com 45,31%, e moda e acessórios, com 39,84%.

Esse comportamento de compra é confirmado por Juliana Camargo, líder de conversão de clientes do eBay na América Latina.

Juliana diz que a procura por itens de vestuário e cosméticos cresce exponencialmente neste período. Já por parte dos consumidores masculinos, ela destaca o aumento do tíquete médio para uma categoria de itens com preços mais altos, como smartphones, videogames, tablets e relógios.

A estratégia do eBay para 2018 envolve descontos em milhões de itens, ofertas para os mais procurados, entrega gratuita para vários itens e categorias e oferta adicional surpresa. Além disso, o marketplace também investiu em um novo site e em conexão com as redes sociais. A Black Friday também é a data campeã em vendas para o portal.

GASTOS

Sobre a pretensão de gastos com a data, que promete arrecadar cerca de R$ 2,43 bilhões para o varejo, de acordo com a Ebit, a pesquisa mostra que mais de 50% devem investir mais que R$ 500 nas compras, sendo que destes, 17,6% pretendem ficar acima de R$ 1 mil e 5% acima de R$ 2,5 mil.

Cruzando os dados de classe social com a pretensão de gastos dos consumidores, é possível identificar que aproximadamente 30% dos participantes das classes A e B pretendem gastar entre R$ 1 mil e R$ 2,5 mil, enquanto outros 30% da classe C pretendem gastar entre R$ 500 e R$ 1 mil.

Para pagar essa conta, a maioria dos consumidores seguiu a tendência da pesquisa anterior e declarou preferir usar o cartão de crédito (67,4%). O boleto e o cartão de débito aparecem em seguida na lista de opções de pagamento, com 31,5% e 30,5%, respectivamente.

FOTO: Thinkstock