Negócios

Produção de veículos tem queda de 11,2% em 2016


Redução do ritmo da fábricas acompanhou a recessão, afirma Anfavea. Apesar do recuo nas vendas, GM desbanca Fiat, no topo por 11 anos consecutivos, e volta a liderar mercado


  Por Redação DC 05 de Janeiro de 2017 às 13:58

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A produção de veículosregistrou queda de 11,2% em 2016 em comparação com 2017, segundo o balanço divulgado hoje (05/12) pela Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

De janeiro a dezembro, foram montadas 2,16 milhões de unidades, contra 2,43 milhões no mesmo período de 2015.

A redução do ritmo nas fábricas acompanhou a retração do mercado, que registrou no acumulado do ano passado queda de 20,2% nas vendas.

LEIA MAIS:Programa de renovação da frota deve sair em 2017

Quanto ao estoque total de veículos nos pátios das concessionárias e das montadoras caiu de 206,3 mil unidades em novembro do ano passado para 176,2 mil no fim de dezembro - o menor volume em estoques desde setembro de 2009, segundo a Anfavea.

Com a queda, o nível atual de unidades encalhadas é suficiente para 26 dias de vendas, considerando o ritmo de vendas em dezembro, o menor giro desde dezembro de 2012.

Em novembro, os estoques davam para 30 dias, considerando o ritmo de dezembro. O setor considera ideal um estoque equivalente a 30 dias de vendas.

CARROS DE PASSAGEIROS TÊM RECUO

Ao longo de 2016, foram licenciados 2,05 milhões de veículos, enquanto em 2015 foram comercializadas 2,57 milhões de unidades, informou a Anfavea.

Em dezembro, a queda nos licenciamentos ficou em 10,3% em relação ao mesmo mês de 2015, com a venda 204,3 mil veículos.

O resultado é, no entanto, 14,7% superior ao de novembro de 2016, quando foram comercializadas 178,2 mil unidades.

As vendas de carros de passageiros tiveram no ano queda de 16,7% em relação a 2015, com o licenciamento de 1,48 milhão de unidades.

Os caminhões tiveram retração de 30,6% na comercialização, com o emplacamento 48,7 mil unidades ao longo do ano passado.

Já as indústrias fecharam o ano com 9,29 mil vagas a menos do que em dezembro de 2015.

No final do ano passado, as montadoras empregavam 121,2 mil pessoas, uma redução de 7,1% em comparação com os 130,5 registrados no último mês de 2015.

PREVISÃO DE CRESCIMENTO EM 2017

As vendas de veículos novos devem ter crescimento de 4% em 2017 ante 2016, previu a Anfavea) após divulgação de números de 2016.

Essa seria a primeira expansão do setor após quatro anos seguidos de queda. A projeção é mais otimista que a da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que estima avanço de 2,4%.

As variações previstas pela Anfavea significam que a entidade começou o ano mais pessimista do que terminou o ano passado.

LEIA MAIS:Em dois anos, setor automotivo corta mais de 200 mil

Em outubro, o presidente da Anfavea, Antonio Megale, havia dito que esperava para 2017 um crescimento de um dígito "parrudo", ou seja, entre 5% e 9%.

Porém, ele explicou nesta quinta-feira que o maior pessimismo de agora se deve a uma expectativa de menor crescimento do PIB para 2017 e à instabilidade do ambiente político.

"Não esperamos a recuperação para os primeiros meses de 2017, isso deve acontecer mais para frente pois o desemprego ainda é preocupante, os números de desemprego ainda crescem", afirmou.

Para Megale, a recuperação só deve ocorrer quando os investimentos e a confiança voltarem.

GM É LÍDER EM VENDAS

Depois de 11 anos de reinado da Fiat como líder nas vendas de veículos leves no Brasil, o posto foi retomado em 2016 pela GM, que ocupou a liderança pela última vez em 2004, cedendo o espaço a partir de 2005 para a própria Fiat.

Ambas amargaram quedas de mercado em 2016, assim como todo o setor, mas a GM teve recuo menor, o que permitiu a reconquista do primeiro lugar.

As vendas da GM somaram 345,8 mil automóveis e comerciais leves em 2016, ou 17,4% do total do mercado, segundo números preliminares apurados pelo Estadão Conteúdo?.

LEIA MAIS: Bancos querem financiar mais compra de carros

O volume da montadora representa retração de 11% em comparação com o resultado do ano anterior. A Fiat, por sua vez, teve baixa de 31%, para 305 mil unidades, com 15,3% de participação no todo.

Das principais montadoras em atuação no Brasil, apenas a japonesa Toyota conseguiu elevar as vendas de automóveis e comerciais leves no ano passado.

O salto foi de 3%, para 180,4 mil unidades. Com isso, a participação de mercado da empresa avançou de 7,1% para 9,1%. 

Imagem: Agência Brasil/EBC / *Com informações da Agência Brasil e Estadão Conteúdo