Negócios

Produção de veículos cresce 16,6% em outubro


Esse foi o melhor resultado para o mês na comparação com 2018, segundo a Anfavea. Já as exportações recuaram 18,2% com a derrocada da economia argentina


  Por Estadão Conteúdo 06 de Novembro de 2019 às 10:58

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A produção de veículos automotores em outubro cresceu 16,6% sobre setembro, com a fabricação de 288,5 mil unidades. Os dados foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) nesta quarta-feira (06/11).

Na comparação com outubro do ano passado, a produção do setor cresceu 9,6%, e no acumulado do ano até outubro, a produção de veículos automotores cresceu 3,6%, com 2,55 milhões de unidades produzidas. 

Outubro foi o melhor mês para produção e vendas de veículos automotores desde igual intervalo do ano passado. No acumulado do ano, foi o melhor período desde 2014, disse Luiz Carlos Moraes, o presidente da Anfavea. Em sua avaliação, o bom desempenho do setor no mês passado está relacionado, entre outras coisas, à queda da taxa de juros nominal do País e à retomada do crédito, muito importante para a atividade do setor.

As vendas cresceram 7,9% em outubro ante setembro, mas caiu 0,5% ante outubro do ano passado. Os licenciamentos atingiram 253,4 mil unidades. No ano, até outubro, as vendas cresceram 8,7% sobre igual período do ano passado. 

Já as exportações brasileiras de veículos automotores em outubro recuaram 18,2% ante setembro. No mês passado, foram embarcados 30 mil veículos ante 36,6 mil unidades em setembro. Na comparação com outubro do ano passado, as exportações recuaram 22,6%. No acumulado do ano, até outubro, a queda foi de 34,7% ante o mesmo período em 2018.

O principal fator para as quedas anotadas nos embarques foi a derrocada da economia argentina, segundo Moraes. "Com a Argentina, nós começamos a sofrer em maio do ano passado. Esse ano tivemos uma queda superior a 50%. A Argentina é nosso maior parceiro em termos de indústria no setor automobilístico. Então, a gente entende que o governo brasileiro e o argentino têm que encontrar o caminho para, com bom senso e sem ideologias, tratar de negócios", disse Moraes.

Para o presidente da Anfavea, o que o governo brasileiro tem a fazer é não atrapalhar e deixar a Argentina resolver os problemas dos argentinos. "Democracia é isso, o caminho que os argentinos escolheram é o (Alberto) Fernandez. Ele tem um desafio enorme com a inflação acima de 50%, taxa de juro em quase 60%, índice de pobreza alto e risco país de 5 mil pontos", disse Moraes, acrescentando que espera que um novo governo da Argentina encontre o caminho que tire o país da atual situação.

Quanto ao nível de emprego nas montadoras de veículos automotores, a queda foi de 0,2% em outubro em relação a setembro. Em outubro último, a indústria automobilística empregava 122.724 trabalhadores. Em setembro, o total de empregados no setor era de 122.938. Na comparação com outubro do ano passado, quando as montadoras empregavam 131.374 pessoas, a queda é de 2,8%.