Negócios

Perdas com a greve superam R$ 75 bilhões


A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) estima que as áreas de comércio e serviços deixaram de faturar cerca de R$ 27 bilhões entre os dias 21 e 28


  Por Estadão Conteúdo 31 de Maio de 2018 às 11:35

  | Agência de notícias do Grupo Estado


As projeções preliminares de diversos segmentos da economia após dez dias de greve dos caminhoneiros apontam para perdas de mais de R$ 75 bilhões.

Em alguns casos, os prejuízos ainda podem aumentar mesmo após o fim do movimento, pois, dependendo do tipo de atividade, a retomada poderá levar de uma semana a 20 dias.

Também há preocupação sobre como será a volta das atividades. "Não sabemos ainda, por exemplo, como será precificado o aumento do frete", afirma José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic). "Dá arrepios só de pensar."

O setor calcula que deixou de gerar, até agora, R$ 3,8 bilhões, e precisará de duas a três semanas para retomar totalmente as atividades.

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) estima que as áreas de comércio e serviços deixaram de faturar cerca de R$ 27 bilhões entre os dias 21 e 28.

"São nítidos os transtornos causados pelo desabastecimento generalizado, que pode provocar danos ainda maiores ao País, como aumento do desemprego, falta de gêneros alimentícios, estoques, baixo fluxo de vendas e prejuízo ao desenvolvimento econômico", diz o presidente da Fecomércio de Minas Gerais, Lúcio Emílio de Faria Júnior.

Os supermercados contabilizam R$ 2,7 bilhões em prejuízos. Para os distribuidores de combustível, as perdas já atingem R$ 11,5 bilhões.

A paralisação dos caminhoneiros fez com que o fluxo de pessoas nos shopping-centers do País apresentasse queda de 15 % na semana da greve.

O levantamento foi realizado pela FX Retail Analytics, empresa especializada em monitoramento e fluxo para o varejo, em parceria com Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE)

A análise levou em consideração o período de início da greve, na semana do dia 21 a 27 de maio, em comparação com a semana anterior.

De acordo com o estudo, a região mais foi impactada foi a Nordeste, com 18%, seguida da Sul, com 14% e da Sudeste, com 13%.

"Muito atrelada à mobilidade do automóvel, muitos consumidores optaram por não frequentar os shopping-centers nesse período em razão da economia de combustível", afirma Walter Sabini Junior, sócio-fundador da FX Retail Analytics.

Quando incluído lojas de rua e outlets, a análise apontou que houve queda de 11,5% no movimento de pessoas no período. Por essa ótica, a região mais afetada foi a Centro-Oeste, com queda de 32%, seguido da região Sudeste, com 12%. As regiões Sul e Nordeste tiveram recuo de 9% e 4%, respectivamente.

LEIA MAIS: Incerteza sobre a economia é elevada

Com menos bloqueios nas estradas e a volta, lentamente, do abastecimento de combustíveis, algumas empresas estão retomando operações.

Das 167 unidades produtoras de aves, ovos e suínos que estavam paradas em todo o País, 46 reiniciaram atividades nesta quarta-feira, 30, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). As empresas do setor acumulam prejuízos de R$ 3 bilhões e perderam 70 milhões de aves, mortas por falta de ração. Com parte do abastecimento retomado, a mortandade deve acabar.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a cadeia produtiva da pecuária de corte deixou de movimentar entre R$ 8 bilhões e R$ 10 bilhões.

Os produtores de leite perderam R$ 1 bilhão, parte disso com o descarte de mais de 300 milhões de litros de leite. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) calcula que produtores em geral devem levar de seis meses a um ano para se reestruturarem.

O setor têxtil estima perdas de R$ 1,8 bilhão e, até esta quarta, ainda tinha cerca de 70% das empresas paradas ou prestes a parar. A previsão da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) é de que serão necessários pelo menos 20 dias para que a situação seja normalizada.

CARROS

Na indústria automobilística quase todas as fábricas estão paradas desde sexta-feira. O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, diz que "a maioria retomará a produção, de maneira gradual, a partir de segunda-feira". As unidades da Fiat em Minas Gerais e da Jeep em Pernambuco voltam a operar nesta quinta-feira, 31.

A Anfavea não divulgou prejuízos, mas, com base na produção média de veículos em abril, cerca de 51 mil veículos deixaram de ser fabricados. O resultado deste mês poderá interromper uma sequência de 18 meses de alta na comparação interanual.

Até terça-feira as vendas do setor tinham caído 11% em relação a abril (para 192,8 mil unidades), mas ainda devem superar o volume de maio de 2017, de 195,6 mil unidades.

A indústria química soma R$ 2,5 bilhões em perda de faturamento e calcula em dez dias o período para retomada de atividades.