Negócios

O salto das startups que buscam orientação


Em 2016, 22% das selecionadas para aceleração e incubação em todo o país foram atendidas pelo Sebrae


  Por Agência Sebrae 02 de Junho de 2016 às 15:58

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


Duas de cada dez startups selecionadas em programas de aceleração e incubação em 2016 foram atendidas pelo Sebrae.

A instituição mapeou as startups escolhidas em dez programas: inovAtiva, Aceleratech, PDE - Telefônica, Google, Porto Seguro - Oxigênio, Seed, inovaBRA, Startup Farm, Ventiur e Wow.

Das 468 que estão sendo aceleradas/incubadas atualmente nesses programas, 103 receberam orientação do Sebrae durante a estruturação do negócio, ou 22% do  total.

O Sebrae tem atuação nacional no desenvolvimento de startups. Em 2015 foram atendidas 855 startups e, para 2016, a previsão é que esse número aumente para 1,2 mil.

A instituição apoia todos os estágios de uma startup, especialmente os de ideação – momento de testar e validar a ideia do negócio e formalizar o empreendimento – e operação – hora de colocar a empresa para funcionar, gerenciando um sistema e controlando recursos humanos, materiais e financeiros da empresa. Mas também tem soluções voltadas para os estágios de curiosidade e tração.

Para o coordenador nacional de startups do Sebrae, Márcio Brito, a quantidade de empresas selecionadas para incubação e aceleração é resultado do trabalho feito desde 2013 pelo Sebrae para se aproximar dos empreendedores digitais, entender suas demandas e desenvolver um atendimento adequado para esse grupo. “Isso mostra que estamos no caminho certo”, afirma.

“Trabalhamos com pré-aceleração: nosso objetivo é melhorar o empreendedor e, consequentemente, a empresa, a fim de que ele esteja pronto para escolher a melhor forma de gerir a sua empresa, seja sozinho ou por meio de iniciativas do mercado. Com ações de capacitação, inovação e acesso a mercados, que é o propósito desses programas, buscamos cada vez mais aumentar esses números”, afirma.

Segundo ele, a oportunidade de participar de programas de incubação e aceleração é muito rica, pois possibilita conexões que impulsionam o seu desenvolvimento.

“A empresa entra realmente no mercado, em uma rede focada no investimento. A proposta de todos esses programas é de aceleração. Em pouquíssimo tempo, ele está pronto para ganhar mercado e crescer”.

O Sebrae também tem uma cartilha que dá dez dicas de como tirar a ideia do papel e montar uma startup de sucesso, disponível gratuitamente no link

IMAGEM: Thinkstock