Negócios

Novos hábitos aumentam intenção de compra on-line do Dia dos Pais


Levantamento da Boa Vista aponta crescimento de 142% em 2020 ante igual período de 2019, e 80% pretendem gastar o mesmo valor do ano passado. O ticket médio será em torno de R$ 173


  Por Redação DC 04 de Agosto de 2020 às 09:18

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


As vendas de presentes para o Dia dos Pais este ano devem ser marcadas por compras pela internet, por conta das mudanças de hábito de compra provocadas pela pandemia para 58% dos consumidores.

Pesquisa realizada pela Boa Vista para identificar o comportamento e as perspectivas de compra dos consumidores brasileiros na data, que é comemorada no próximo domingo (09/08), mostra que a intenção de adquirir algum item subiu 142%, na comparação com o mesmo período de 2019.

Por conta disso, 80% pretendem gastar o mesmo valor, se comparado com igual período do ano passado, ou menos. "Os consultados indicam que a conjuntura econômica preocupa e inibe investimento alto no presente", diz a nota.

O ticket médio geral será em torno de R$ 173, o que significa 5% menor quando comparado ao de 2019. A despeito disso, 96% consideram importante presentear nesta data. De acordo com o levantamento, serão presenteados pais (46%), maridos (29%) e sogros (7%), com itens de setores já tradicionalmente comercializados: vestuários e calçados (45%), acessórios (17%) e perfumes/cosméticos (16%).

RETOMADA DAS ATIVIDADES

Grande parte dos entrevistados aponta predileção pelo pagamento à vista (61%), com a utilização do cartão de débito por 41% dos consultados. Entre os que preferem parcelar (39%), 91% utilizarão cartão de crédito, e os demais encontram alternativas no cartão de débito programado (2%), carnê/boleto (7%) e cheque (1%).

A Boa Vista também perguntou aos entrevistados sobre a retomada gradual do comércio e serviços. Para 60%, essa ideia recebeu apoio, com 29% afirmando que voltaram a ter uma rotina de compras fora de casa, priorizando idas a supermercado (64%), restaurantes e padarias (29%).

Roupas e calçados representam 21% desse universo. Neste sentido, a pesquisa reforça o observado desde o início da quarentena, que foi a busca por compras online, devido ao fechamento do comércio como forma de atenuar a disseminação da covid-19 na população.

Na mesma direção, a pesquisa observa mais empresas buscando o Cadastro Positivo para aperfeiçoar as análises de crédito. Este movimento "contribui com o mercado de crédito como um todo, neste momento delicado da economia", afirma Flávio Calife, economista da Boa Vista.

FOTO: Pixabay