Negócios

Natal deve gerar 91 mil vagas temporárias no comércio


Essa será a maior quantidade de contratações dos últimos seis anos, segundo a CNC, sendo que o grande volume será nos ramos de vestuário e super e hipermercados


  Por Agência Brasil 14 de Outubro de 2019 às 12:31

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgou nesta-segunda-feira (14/10) uma estimativa sobre os postos de trabalho temporários para o Natal deste ano.

De acordo com a CNC, espera-se a contratação de 91 mil trabalhadores temporários para atender ao aumento da demanda do varejo no período natalino, ou seja, 4% maior do que em 2018 e a maior oferta dos últimos seis anos. A estimativa é que a data movimente R$ 35,9 bilhões neste ano.

LEIA MAIS:Fim de ano deve gerar mais de 100 mil vagas

José Roberto Tadros, presidente da CNC, afirma que essa retomada parcial do nível de atividade do setor está sendo influenciada pela inflação baixa, pelos juros básicos no piso histórico, por prazos mais amplos para a quitação de financiamentos e, principalmente, pela liberação de recursos extraordinários para o consumo, como os saques no FGTS e no PIS/Pasep.

Os estados que devem mais gerar vagas são São Paulo (22,6 mil), Minas Gerais (10 mil), Rio de Janeiro (9,4 mil) e Rio Grande do Sul (7,6 mil), que concentrarão mais da metade da oferta de vagas.

Já entre os setores do comércio, os maiores volumes de contratações deverão ocorrer nos ramos de vestuário (62,5 mil vagas) e de hiper e supermercados (12,8 mil). Oito em cada dez vagas ofertadas deverão ser preenchidas por vendedores (57 mil), operadores de caixa (13 mil) e pessoal de almoxarifado (4,6 mil).

Os maiores salários médios deverão ser pagos aos contratados para os cargos de gerente de marketing e vendas (R$ 2.724) e gerentes de operações comerciais (R$ 2.020).

A taxa de efetivação dos trabalhadores temporários deverá ser maior do que nos últimos cinco anos, com expectativa de absorção definitiva de 26,1%.

FOTO: Valter Campanato/Agência Brasil