Negócios

Na 1ª quinzena de abril, vendas do comércio paulistano caem 65,5%


Resultado médio do período reflete medidas restritivas para conter a propagação da epidemia, segundo o Balanço de Vendas da ACSP


  Por Karina Lignelli 17 de Abril de 2020 às 11:44

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Nem a Páscoa ajudou: na primeira quinzena de abril, as vendas do comércio paulistano registraram queda média de 65,5% ante igual período de março. Os dados são do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O resultado é reflexo das medidas restritivas implantadas a partir de 23 de março último pelo governo estadual para evitar aglomerações e conter a propagação da epidemia do novo coronavírus. 

Pelo levantamento, o movimento de vendas a prazo caiu 54,5% no período. Já as vendas à vista recuaram 76,4%.  Na comparação com a primeira quinzena de abril de 2019, quando o cenário era outro, o resultado ficou praticamente parecido: queda de 53,6% nas vendas à prazo, e de 77,1% no movimento à vista. 

LEIA MAIS:Como gerir estoques com o comércio fechado

Apesar da continuidade do funcionamento de atividades como supermercados, farmácias, do delivery e do e-commerce, a queda muito forte nos indicadores de vendas mostra realmente os efeitos do isolamento social na atividade do comércio, segundo Marcel Solimeo, economista da ACSP.  

"Dá para notar que a perda é muito grande. Principalmente em comparação a um período em que o crescimento da economia já não era brilhante e caminhava a passos lentos", afirma. 

Porém, ainda que as medidas de restrição no estado, que foram estendidas até o próximo dia 22 de abril, não continuem, a retomada será lenta, segundo o economista. Alguns segmentos se recuperarão mais rápido, mas outros vão levar mais tempo - como é o caso do segmento turístico e de entretenimento em geral.

LEIA MAIS: Medidas do governo não cobrem perdas do comércio

"Os restaurantes, por exemplo, passarão um tempo longe do movimento que tinham antes, até que as pessoas possam ou tenham disposição para voltar a consumir", afirma. "Tudo depende da duração das medidas restritivas: quando tudo reabrir, não é do dia para a noite que o movimento entrará no ritmo de antes."

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia da ACSP, com base em amostra fornecida pela Boa Vista Serviços. 

 

FOTO: Karina Lignelli