Negócios

Muito além da internet, Black Friday está nas ruas


Depois de desembarcar no Brasil por meio do comércio eletrônico, a Black Friday já se tornou uma das principais apostas do comércio físico para as vendas de fim de ano


  Por Estadão Conteúdo 24 de Novembro de 2017 às 08:40

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Já nesta quinta-feira (23/11), pela cidade, faixas e cartazes anunciavam descontos de até 70%. Alguns estabelecimentos, decidiram antecipar as promoções.

Foi o caso do Hipermercado Extra, em São Paulo. Uma unidade da rede na zona sul da cidade deu início à Black Friday às 22 horas, atraindo centenas de pessoas, que se estapearam por aparelhos de TV - os primeiros produtos da noite a entrarem na promoção.

O analista de segurança, Celso Brito, de 48 anos, conseguiu comprar uma delas. Ele havia passado no hipermercado, depois do trabalho, para comprar apenas um celular para o filho de 13 anos.

"Fui atrás de um desconto no telefone, mas não encontrei o modelo que estava procurando e acabei levando uma TV de 40 polegadas", contou. 

NAS GRANDES REDES, O EVENTO TEM FORTE IMPACTO NAS VENDAS

Brito já tem dois televisores em casa e planejava comprar mais um em breve. "Não estava nos planos, mas valeu a pena: paguei R$ 1.699, em vez de R$ 3.800".

Parecia satisfeito em sua Black Friday, apesar da previsão de espera de duas horas na fila do caixa. Nas grandes varejistas, a Black Friday já tem impacto importante nas vendas. 

Para Jorge Pretz, diretor de marketing do Extra, a data já representa o resultado de dez sextas-feiras comuns.

O fundador da Ricardo Eletro, Ricardo Nunes, diz que quando a campanha começou há cinco anos, ela era mais forte no online, mas isso se inverteu e, os dados mais recentes da loja, mostram que 60% das vendas foram realizadas na loja física.

Segundo a economista da Fecomércio-SP, Julia Ximenes, existe um movimento cada vez mais forte das lojas para ingressar no frisson que ocorre nos sites e nas redes sociais, mas o que se observa nos dados de vendas é que o efeito da megapromoção ainda é pequeno nas ruas.

A federação estima para novembro um crescimento de 15% a 16% nas vendas do online, enquanto no varejo físico prevê um crescimento de 8%, desempenho considerado normal para o mês.

LEIA MAIS: Lojista deve ficar atento às fraudes na Black Friday

"O varejo físico faz uso da campanha, mas não consegue efetivar as vendas porque não existe incremento de renda na mão do consumidor, o 13.º salário só chega a partir do dia 30 em muitos casos, então as compras ficam para o Natal", diz Julia Ximenes.

Além da falta do 13.º, a gama de ofertas de preços e produtos oferecida na internet acaba causando uma concorrência desleal para as lojas físicas, explica a economista.

Mesmo assim, a onda chegou até à Rua 25 de Março, região de comércio popular no centro de São Paulo, onde os descontos e preços baixos já são tradição. "Se a gente não participar, fica atrasado", afirma o gerente da Perfumaria 2000, Ricardo Gonçalves.

Apesar do esforço dos comerciantes, os consumidores nas ruas parecem não dividir a mesma empolgação. Muita gente nem sequer conhece a megapromoção.

O porteiro Pedro Bertino, de 45 anos, pagou R$ 1.044 em um TV ontem, sem saber que possivelmente encontraria o mesmo produto mais barato na loja hoje. "Sabia que era em novembro, mas não sabia quando."

Na Rua 25 de Março, a VestCasa, loja de roupas de cama, chegou a erguer em sua fachada um portal preto anunciando descontos de até 70%. A aposentada Meire da Conceição, 52 anos, foi atraída pelo anúncio, mas ficou desapontada. "Venho aqui toda quinta-feira. O preço está igual."

FOTOS: Alex Silva e Werther Santana/Estadão Conteúdo