Negócios

Móveis e eletrodomésticos lideram reação nas vendas


Juntos, os dois segmentos duramente atingidos pela recessão tiveram alta de 6,2% no acumulado de 12 meses até junho, aponta levantamento da Boa Vista SCPC


  Por Redação DC 20 de Julho de 2018 às 09:53

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, avançou 3,1% no acumulado do 1º semestre de 2018, de acordo com levantamento da Boa Vista SCPC.
 
Na avaliação mensal dessazonalizada, a atividade cresceu 1,0% ante maio. No acumulado em 12 meses, o indicador avançou 4,5% (julho de 2017 até junho de 2018 frente ao mesmo período do ano anterior). Já na avaliação contra junho do ano anterior, houve alta de 3,1%.

Os resultados de junho apontam o varejo voltando a crescer, após as turbulências associadas à greve dos caminhoneiros no final de maio.
 
Também ocorreu evolução no semestre, mas em ritmo menor do que esperado, devido ao baixo desempenho da economia e mercado de trabalho fragilizado. Espera-se que com a continuidade da expansão do crédito, melhora no emprego e na confiança dos consumidores, ocorra a consolidação de um ritmo de recuperação maior no segundo semestre.
POR SETOR

Na análise mensal, dentre os principais segmentos, “Móveis e Eletrodomésticos” apresentou aumento de 2,0% em junho, descontados os efeitos sazonais. Nos dados sem ajuste sazonal, a variação acumulada em 12 meses foi de 6,2%.
 
A categoria de “Tecidos, Vestuários e Calçados” cresceu 1,3% no mês, expurgados os efeitos sazonais. Na comparação da série sazonal, nos dados acumulados em 12 meses houve avanço de 2,2%.
 
Já o segmento de “Supermercados, Alimentos e Bebidas” ficou estável no mês na série dessazonalizada. Na série sem ajuste, a variação acumulada subiu 3,9%.
 
LEIA MAIS: Varejo brasileiro deve fechar ano com alta de 3,8%
 
Por fim, o segmento de “Combustíveis e Lubrificantes” subiu 0,5% em junho considerando dados dessazonalizados, enquanto na série sem ajuste, a variação acumulada em 12 meses ainda apresenta queda de 1,3%.