Negócios

‘Loja física tem um futuro brilhante’


Para Jason Goldberg, um dos maiores especialistas em varejo dos Estados Unidos, Brasil sai na frente dos EUA nas entregas em casa devido à estrutura física de redes e aos custos menores


  Por Fátima Fernandes 26 de Outubro de 2020 às 07:05

  | Jornalista especializada em economia e negócios e editora do site Varejo em Dia


Com as restrições para sair de casa, a alternativa foi fazer compra pela internet. O resultado foi um salto nas vendas on-line durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil e no mundo.

Nos Estados Unidos, o e-commerce cresceu 45% em todo o varejo no segundo trimestre. No ano, a alta deve ser de 30% na comparação com 2019.

Por aqui, a participação do comércio on-line no varejo total passou de 2,9% para 3,7% no primeiro semestre deste ano no Estado de São Paulo, de acordo com a Fecomercio- SP.

Jason Goldberg, um dos maiores especialistas em varejo dos EUA e diretor da Publicis, diz que os setores menos maduros digitalmente foram os mais afetados pela Covid-19.

Nos Estados Unidos, de acordo com ele, o e-commerce representava 2,5% do setor de alimentos antes da pandemia. Em março, 29% e, agora, está estabilizado em 12%.

No Brasil, grandes redes de supermercados informam que a venda on-line chegou a subir três dígitos em alguns períodos, atingindo patamares projetados para daqui a alguns anos.

A covid-19, diz Goldberg, acelerou o uso do canal digital em todo o comércio e deve continuar impulsionando em 2021, mas com taxas de crescimento menores do que as deste ano.

Veja o que Jason Goldberg disse ao Diário do Comércio, por e-mail, sobre alguns temas que envolvem o varejo.

 

LOJA FÍSICA

O varejo físico ainda tem um futuro brilhante.

Enquanto os consumidores mudam rapidamente suas preferências de compra para o on-line, é muito mais difícil para empresas de logística, como FedEx e UPS, crescerem tão rapidamente.

Como resultado, os varejistas que podem usar as suas lojas físicas como componente chave de seu modelo de distribuição, estão melhores posicionados.

Redes como Best Buy e Target, que podem entregar boa parte de seus pedidos de e-commerce de suas lojas, são capazes de crescer muito mais rapidamente do que um varejista on-line puro que é totalmente dependente da UPS para entregar os seus produtos.

Até mesmo a Apple está aproveitando agora as suas lojas para atender aos pedidos do comércio eletrônico.

 

LOJAS DE DEPARTAMENTO

As lojas de departamento, realmente, precisam inventar uma nova razão para existir.

Originalmente, elas eram o acesso exclusivo às marcas de luxo. Só que hoje todas essas grifes têm lojas próprias, vendendo diretamente para os clientes.

As lojas de departamento costumavam se diferenciar na variedade e na conveniência, o que agora são características do comércio on-line.

Eu apostaria mais naquelas lojas de departamento que são capazes de selecionar um POV (ponto de vista) específico e vender produtos exclusivos, como a Nordstrom.

 

REDES DE MODA

Muito provavelmente, nunca mais veremos o retorno daquelas redes de lojas com tendências de moda global, que oferecem um estilo de moda em massa, a mesma aparência no vestir.

No futuro, gostaríamos de ver muito mais micro tendências fragmentadas na moda, o que exigirão designer, produção e estratégia de distribuição muito diferentes.

 

BRASIL X EUA

Tive a chance visitar o Brasil em 2019 e vi experiências de varejo incríveis.

Acredito que o Brasil será capaz de pular alguns dos erros cometidos nos Estados Unidos.

O Brasil está adotando carteiras digitais mais rapidamente do que os EUA, o que é um elemento importante do comércio eletrônico livre de atrito.

Devido aos custos menores de mão de obra, é mais economicamente viável oferecer entrega em domicílio.

Tal como acontece com o resto do mundo, um grande desafio, enquanto fazemos a transição para o comércio digital, será oferecer facilidade e conveniência, ao mesmo tempo em que ganhamos e mantemos a confiança dos clientes.

A confiança é um dos aspectos mais importantes e negligenciados no varejo.

Cada vez mais as empresas que ganham são aquelas que conquistam e mantêm a confiança dos consumidores.

 

SHOPPINGS

Os shoppings estavam em processo de diminuição nos Estados Unidos, e a covid-19 apenas acelerou este processo.

Os shoppings são desproporcionalmente populosos com varejistas de roupas nos EUA, e roupas têm sido justamente uma das categorias mais afetadas pela pandemia.

Além disso, os shoppings dependem muito de locatários-âncoras, de lojas de departamento, que costumavam atrair tráfego.

Quando Macy´s, JC Penney e Sears atraem menos gente, todo o shopping entra em declínio.

Quando uma loja de departamento fecha, como aconteceu com muitas, disparam as cláusulas de co-locação para outros inquilinos, que podem renegociar e cancelar seus aluguéis.

Muitas lojas não puderam e ou não quiseram pagar o aluguel integral aos proprietários de shoppings durante a pandemia, criando atritos entre eles.

Existem cerca de mil shoppings atualmente nos Estados Unidos e estima-se que 25% deles serão fechados nos próximos cinco anos.

 

NOVOS MODELOS

Pelo menos um shopping fechado já foi convertido em um centro de distribuição da Amazon, mas não acredito que essa será a tendência mais comum.

Comunidades individuais terão de apresentar seus próprios planos para redesenhar novos modelos para os centros de compra.

É importante lembrar que os EUA têm muito mais espaço de varejo per capita do que qualquer outro lugar do mundo.

Temos 53 metros quadrados de espaço de varejo locáveis per capita, contra 26,6 metros quadrados no Canadá e 8,8 metros quarados na maior parte da Europa, por exemplo.

O fechamento desses shoppings de baixo desempenho, portanto, é uma correção dolorosa, mas necessária.

 

IMAGEM: NRF/divulgação





Publicidade





Publicidade





Publicidade