Negócios

Leroy Merlin cria 'shopping virtual' pioneiro de materiais de construção


"Nosso negócio do futuro é digital", diz Alain Ryckeboer (na foto), diretor-geral da companhia no Brasil


  Por Estadão Conteúdo 27 de Outubro de 2018 às 11:25

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Líder na venda de materiais de construção no País, a Leroy Merlin escolheu uma estratégia peculiar para avançar no online. A rede se prepara para inaugurar, no dia 12 de novembro, seu marketplace -o primeiro shopping virtual de uma empresa do setor, mas que vai reunir lojas de eletrodomésticos, móveis, artigos de cama, mesa e banho.

A intenção é vender itens de mobília da casa que complementam os materiais construção comercializados pela companhia. A meta da varejista é que a área digital - site e marketplace - responda por 10% do faturamento em dez anos. Hoje o site sozinho representa 2% da receita total da companhia no País que, no ano passado, somou R$ 5,3 bilhões.

LEIA MAIS: A hora e a vez dos marketplaces

Nos últimos seis anos, a varejista investiu R$ 260 milhões em Tecnologia da Informação (TI) para bancar a sua expansão digital. "Zeramos nossa dívida tecnológica e o nosso negócio do futuro é digital", diz o diretor-geral da companhia no Brasil, Alain Ryckeboer.

O Brasil será o primeiro país onde a empresa francesa terá um shopping virtual. O próximo está programado para o ano que vem, na Rússia. A justificativa do executivo para a escolha de o Brasil ser o pioneiro na iniciativa está no fato de o brasileiro ser muito digital. "Ele fica, em média, cinco horas por dia na internet."

Cerca de 40 fornecedores estão na etapa final de negociação para integrar o marketplace. "O interesse dos varejistas é grande porque já temos um site com 10 milhões de visitas por mês, bom poder aquisitivo e uma marca forte."

Juntos, esses 40 fornecedores revendem cerca de 140 mil itens. Mas, inicialmente, serão ofertados 5 mil. "Se der tudo certo, se forem respeitados os prazos de entrega e os padrões da companhia, iremos incorporando mais produtos aos poucos", explica o Ryckeboer.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de construção (Anamaco), Claudio Conz, o marketplace, neste caso, funciona como um diferencial importante porque permite o varejista ter presença nacional, vendendo produtos em área afins.

LEIA MAIS: Kiabi chega ao Brasil

Para o consultor Marcos Gouvêa de Souza, diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, o shopping virtual é um caminho com menos riscos para as empresas que querem expandir seus negócios online.

Segundo ele, na maioria das vezes, o e-commerce é deficitário porque, como o consumidor no online pesquisa muito os preços antes de comprar, a tendência das empresas é reduzir os valores. "Isso achata a rentabilidade do varejo online", explica. "No marketplace, o varejista não tem que comprar e estocar produto. Com isso, consegue ampliar a participação de mercado, sem prejudicar a rentabilidade."

Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), observa que a tendência de marketplace está se expandindo para outros segmentos. Ele alerta, no entanto, que materiais de construção e móveis são segmentos críticos em termos de reclamações de consumidores. "Esse é um risco que pode respingar na marca do shopping virtual."

LEIA MAIS: Lojas físicas ainda respondem pela maioria das vendas mundiais

O projeto da Leroy é integrar a loja física com a virtual. "Estamos investindo numa transformação interna para que os clientes comprem o que quiserem onde quiserem", diz Ryckeboer.

Em vez de ter um centro de distribuição (CD) central, as lojas serão base de entrega de mercadorias para o e-commerce. Com isso, será possível reduzir o prazo de entrega das vendas online de oito dias para dois dias. A meta é implantar esse sistema em todas as 41 lojas da rede.

Ryckeboer diz que a decisão de transformar as lojas em CDs já estava tomada antes da greve dos caminhoneiros. Com a greve, ela foi ratificada.