Negócios

Lembra dele? Rei dos Aneis encontra sócio e escapa da falência


Em junho, a loja de atacado de bijuterias na região central de São Paulo surpreendeu os clientes ao exibir um aviso na vitrine: ‘Falindo’


  Por Fátima Fernandes 04 de Dezembro de 2015 às 15:00

  | Editora ffernandes@dcomercio.com.br


Em junho passado, o Rei dos Anéis, um dos maiores atacadistas de bijuterias da região da Rua 25 de Março, surpreendeu os pedestres e clientes ao estampar na vitrine da loja, no Shopping Porto Geral, a placa ‘Falindo’.

Uma queda de 60% nas vendas não permitia mais manter o negócio aberto, de acordo com William Ki, gerente.

 Seis meses depois, o Rei dos Anéis continua funcionando, mas, de acordo com Ki, por "pura insistência". O espaço de 80 metros quadrados diminuiu pela metade.

LEIA MAIS: De volta à crise, depois da Black Friday e do Natal

Dos 14 funcionários que a loja chegou a ter, agora só resta um. "E não precisa de mais de um", afirma. As vendas de brincos, anéis e colares caíram 80% até novembro, em comparação com igual período do ano passado.

A renegociação nos preço do aluguel do imóvel, que foi reduzido em 15%, e a entrada de um novo sócio deram sobrevida à loja.

“Vamos dar um prazo de mais ou menos seis meses para tentar acabar com toda a mercadoria que temos em estoque. Tudo indica que a economia só vai melhorar em 2017”, diz Ki.

Há cinco anos e meio, quando abriu o negócio, Ki lembra que, a partir de setembro, havia fila de clientes de todo o país na porta da loja para comprar anéis, brincos e colares.

“Os lojistas ficavam até bravos porque só entravam duas a três pessoas por vez de tão cheia que a loja ficava”, relata.

O Rei dos Anéis já chegou a ocupar 200 metros quadrados em três estabelecimentos no shopping Porto Geral, localizado na Ladeira Porto Geral. Neste ano, a loja nem chegou a comprar mercadorias (importadas e nacionais) por conta dos altos estoques.

“Demos mais um prazo para limpar os estoques, depois veremos o que fazer”.

LEIA MAIS: 353 confecções fecharam as portas até setembro em São Paulo

Se depender do movimento da loja em pleno mês de dezembro, não vai ser fácil lotar a loja de clientes novamente. Na manhã desta quinta-feira (03/12), o Rei dos Anéis, que vende bijuterias a partir de R$ 5, estava praticamente vazio.

LEIA MAIS: Escassez de crédito e vendas em queda fecham mercadinhos