Negócios

Juntas, 50 maiores do e-commerce faturam R$ 36,2 bilhões


B2W continua no topo na quarta edição do ranking da SBVC. Em 2017, varejistas faturaram o equivalente a 75,89% do setor como um todo no mercado brasileiro


  Por Redação DC 04 de Dezembro de 2018 às 19:06

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Lideradas mais uma vez pela pioneira B2W Digital, com marcas como Submarino e Americanas.com, as 50 maiores varejistas do e-commerce brasileiro voltaram a ser listadas na nova edição do ranking “50 Maiores Empresas do E-Commerce Brasileiro”, elaborado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) e com apoio técnico da BTR-Educação e Consultoria, Varese Retail e Centro de Estudo e Pesquisa do Varejo (CEPEV – USP). 

Com empresas do porte de Via Varejo, Magazine Luiza, Walmart e Netshoes, as grandes e médias varejistas do setor tiveram em 2017 um ano de crescimento acima da média, apresentando um crescimento nominal de 8,74% nas vendas, enquanto o varejo online como um todo teve uma alta de 7,5% (dados da Ebit). Já o faturamento total foi de R$ 36,2 bilhões, o equivalente a 75,89% do e-commerce brasileiro.  

“Mesmo em um ambiente de crescimento econômico modesto, o varejo online continua em um ritmo sólido de expansão, gerando empregos e aumentando sua produtividade”, afirma Eduardo Terra, presidente da SBVC. “Das 50 empresas listadas no Ranking, somente quatro tiveram declínio nas vendas, o que reflete um ambiente de negócios bastante saudável”, completa.

LEIA MAIS: Mobile já representa 48% das vendas do varejo online no Brasil

De acordo com o presidente da SBVC, por meio de uma metodologia exclusiva, o ranking consegue refletir as características estruturais do varejo, contribuindo para um melhor entendimento das particularidades do mercado.

“O estudo evidencia aspectos importantes do varejo online brasileiro, como sua crescente concentração, a presença crescente da Amazon no mercado nacional, além das imensas oportunidades que ainda existem no setor”, afirma.

A seguir, confira alguns destaques do levantamento: 

* Nas empresas multicanal que fazem parte do ranking, como Via Varejo e Magazine Luiza, por exemplo, as vendas via e-commerce representam 11,7% do faturamento, índice bem superior aos cerca de 5% que o varejo online representa do varejo brasileiro total;

* Entre as 10 maiores empresas do e-commerce brasileiro estão 6 empresas multicanal e 4 operadores pure play (que só vendem online, como a Netshoes e Privalia);

LEIA MAIS: Como casar na prática loja física com novas tecnologias

* Dos 50 maiores e-commerces, 36 são multicanal e 14 são operações exclusivamente online;

* Os varejistas multicanal representam 57,7% das vendas dos 50 maiores e-commerces;

* Em 21 dos varejistas multicanal, o e-commerce tem uma participação superior à média do varejo (de 5%);

*As 12 empresas de capital aberto presentes entre os 50 maiores e-commerces movimentaram R$ 24,16 bilhões. O número representa 66,74% do faturamento do grupo das 50 maiores e 50,64% de todo o e-commerce brasileiro;

* Mais da metade (62%) das 50 empresas listadas conta com Conselho de Administração. Esse grupo de empresas é responsável por R$ 28,5 bilhões em vendas online, ou 79,63% do faturamento das top 50 e 59,74% de todo o e-commerce brasileiro;

* Oito empresas listadas no ranking tiveram, em 2017, um crescimento de vendas acima de 100%. As líderes em crescimento foram Carrefour, Livraria Cultura e Supermercados Mambo, seguindo estratégias e vivendo momentos de maturidade diferentes em suas operações online;

* 24 empresas listadas no ranking operam marketplaces;

* Das 50 maiores empresas do e-commerce brasileiro, 26 foram fundadas (ou chegaram ao Brasil) nesta década, mostrando um amadurecimento do setor mesmo durante o período recente de crise econômica.

A conclusão, de acordo com o levantamento, é que as principais varejistas online estão explorando os limites do setor, investindo no desenvolvimento de plataformas, na criação de melhores experiências de compra e também integrando online e offline para que a jornada dos clientes aconteça com o mínimo de atrito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


FOTO: Thinkstock