Negócios

Intenção de consumo das famílias sobe em maio


Percentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual se manteve estável nos 33,4%, segundo levantamento da CNC


  Por Estadão Conteúdo 24 de Maio de 2018 às 11:50

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) avançou 0,2% em maio ante abril, alcançando 87,1 pontos, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com maio de 2017, a alta foi de 12,1%.

Em nota, a CNC lembra que, desde 2015, as leituras do ICF estão abaixo de 100 pontos, limite acima do qual o índice entra na zona de indiferença.

LEIA MAIS: Proposta redução de imposto sobre consumo

"O desequilíbrio das finanças públicas, a baixa capacidade de recuperação econômico-financeira de alguns Estados, a burocracia e o nível de juros reais continuam afetando investimentos e consumo privados", diz, em nota, Antonio Everton Chaves Junior, economista da CNC.

O mercado de trabalho segue segurando o consumo, pois, dentro do ICF, o componente Emprego Atual registrou 112,8 pontos, queda de 0,1% em relação ao mês passado e aumento de 4,0% na comparação com 2017.

O percentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual se manteve estável nos 33,4%, diz a nota da CNC.

LEIA MAIS: Copa do Mundo será positiva para o varejo, aponta ACSP

Em relação às perspectivas de mercado de trabalho, o indicador aumentou 0,4% na comparação com abril e se manteve 5,0% maior em relação a igual período do ano passado.

"Desde abril de 2017, é a quarta vez que o indicador fica acima da zona de indiferença, alcançando 103,8 pontos", diz a nota da CNC.

A propensão para consumir segue em nível superior ao de 2017. O componente Nível de Consumo Atual avançou 1,6% sobre abril e 23,3% ante maio de 2017.

Já o componente Momento para Duráveis apresentou queda de 2,5% no comparativo mensal, mas em relação ao ano passado a alta registrada foi de 19,0%.

O índice segue abaixo da zona de indiferença, com 61,3 pontos. Já o subíndice Acesso ao Crédito teve queda de 1,2% na comparação mensal e aumento de 13,9% em relação a maio de 2017.

"Apesar da melhora de todos os subíndices em relação ao ano passado, a maior parte das famílias, 52,1%, declarou estar com o nível de consumo menor do que em 2017", diz a nota da CNC.

IMAGEM: Thinkstock