Negócios

Intenção de compras a prazo aumenta neste mês


A parcela de brasileiros seguros em seus empregos aumentou de 24% em novembro para 28% em dezembro, aponta pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


  Por Redação DC 27 de Dezembro de 2018 às 09:26

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A pesquisa mensal de confiança da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) identificou que a parcela de brasileiros pouco à vontade para comprar eletrodomésticos caiu de 56% em novembro para 52% em dezembro.

Ao mesmo tempo, o universo de entrevistados à vontade para realizar aquisições desse tipo subiu de 19% para 22%.

Segundo a ACSP, a melhora na intenção de compra desses produtos reflete o resultado de outro componente do Índice Nacional de Confiança (INC) da ACSP: a parcela de entrevistados seguros em seus empregos aumentou de 24% em novembro para 28% em dezembro.

“Por serem compras feitas geralmente a prazo, o consumidor só vai fazê-las se sentir-se capaz de arcar com as prestações, se estiver confiante de que não será demitido”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

O percentual de inseguros no emprego cai de 43% para 40% de um mês para outro.

Para Burti, a melhora desses indicadores se deve a dois fatores. Um é de natureza econômica, que é o crescimento ? mesmo que fraco ?dos níveis de emprego, conforme os últimos índices oficiais, e de acordo com o próprio INC, que mostrou que em novembro cada entrevistado conhecia uma média de 4,95 pessoas demitidas nos últimos seis meses e em dezembro esse número caiu para 4,81. O outro fator é o político, é a esperança do consumidor em relação à nova administração do País.

Tal como com os eletrodomésticos, a intenção de compra de bens de maior valor, como carro ou casa, melhorou. Se no mês passado 69% dos entrevistados diziam estar pouco à vontade para realizar uma aquisição do tipo, esse número caiu para 64% em dezembro. O INC foi feito em todas as regiões do País entre os dias 1º e 8 de dezembro. A margem de erro é de três pontos.

“A confiança do brasileiro claramente está crescendo e a tendência é de que o consumo melhore em 2019, beneficiando o comércio consequentemente”, diz Burti.