Negócios

Instabilidade abala confiança do comerciante


Índice de confiança do empresário do comércio teve queda de 0,9% em maio, de acordo com a FecomercioSP. Alta taxa de desemprego e incertezas no cenário eleitoral desanimam lojistas


  Por Redação DC 06 de Junho de 2018 às 10:00

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Em maio, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) no município de São Paulo registrou leve queda de 0,9%, ao passar de 115,4 pontos em abril para 114,4 pontos. Na verdade, o indicador parece ter encontrado um patamar de acomodação, já que, desde fevereiro, o ICEC oscila em torno dos 115 pontos. Em relação a maio de 2017, o ICEC avançou 9,7%.

Apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o ICEC varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total).

Na análise por porte, assim como verificado em abril, a confiança das empresas com até 50 funcionários registrou uma queda mais intensa, de 0,9%, ao passar de 114,9 em abril para 113,9 pontos em maio, enquanto as empresas com mais de 50 empregados exibiram leve queda de 0,3%, atingindo 114,9 pontos ante os 113,9 pontos vistos em abril.

Esse movimento ocorre porque as pequenas empresas tendem a ter mais dúvidas do que certezas diante do quadro econômico ainda não totalmente amistoso. No comparativo anual, o ICEC de ambos os portes subiu, 9,3% e 27,7%, respectivamente.

INDICADORES

Dos três quesitos que integram o indicador, apenas o Índice de Investimento do Empresário do Comércio (IIEC) apresentou crescimento na comparação mensal (0,8%), passando de 95,3 pontos em abril para 96,1 pontos em maio. Em relação ao mesmo mês de 2017, houve aumento de 8,4%.

O Índice das Condições Econômicas Atuais (ICAEC) e o Índice de Expectativas do Empresário do Comércio (IEEC) exibiram queda em maio. O primeiro registrou 90,9 pontos ante os 93,8 pontos do mês de abril, retração de 3,1%. Na comparação anual, apresentou elevação de 21,1%. O segundo passou de 157 pontos em abril para os atuais 156,1 pontos, uma leve queda de 0,5%. No contraponto anual, o indicador teve alta de 4,8%.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, mesmo com a melhora de diversos fundamentos econômicos, como a queda na taxa de juros, inflação abaixo do piso da meta, retomada das vendas do comércio.

No entanto, outros fatores como alta taxa de desemprego, incertezas no cenário eleitoral, entre outros, ainda impedem uma trajetória de crescimento mais consistente do indicador e tornam o empresário mais cauteloso.

Vale ressaltar que os efeitos da alta do dólar e da greve dos caminhoneiros ainda serão captados na próxima edição da pesquisa.

METODOLOGIA

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) contempla as percepções do setor em relação ao seu segmento, à sua empresa e à economia do País.

São entrevistas feitas em painel fixo de empresas, com amostragem segmentada por setor (não duráveis, semiduráveis e duráveis) e por porte de empresa (até 50 empregados e mais de 50 empregados).

As questões agrupadas formam o ICEC, que por sua vez pode ser decomposto em outros subíndices que avaliam as perspectivas futuras, a avaliação presente e as estratégias dos empresários mediante o cenário econômico. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

FOTO: Thinkstock