Negócios

Infraestrutura é a pedra no caminho do empreendedor


Estudo realizado pelo site Peixe Urbano mostra que a complexidade tributária é o segundo maior obstáculo


  Por Wladimir Miranda 13 de Outubro de 2016 às 19:20

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


Quais são as maiores dificuldades enfrentadas pelos empreendedores brasileiros para gerir seus negócios?

Esta foi a principal questão que uma pesquisa encomendada pelo site de compras coletivas Peixe Urbano levantou junto a empreendedores de todo o país, entre março e abril deste ano.

Por ordem de importância, o que mais preocupa o empreendedor é infraestrutura, seguido de impostos, burocracia, custo de capital inicial e capital humano.

No quesito infraestrutura, 59% dos entrevistados disseram que a maior dificuldade é a dependência de poucos fornecedores quando saem em busca de produtos e serviços para seus negócios. Na avaliação de 40,8% dos pesquisados, faltam fornecedores qualificados.

A alta carga tributária, claro, aparece logo a seguir, em segundo lugar. É um problema para 69,8% dos entrevistados.

No país dos impostos, surge um outro ingrediente capaz de provocar mais dores de cabeça no contribuinte/empreendedor: a complexidade, ou seja, a burocracia para efetuar o pagamento de taxas e contribuições, considerado um inferno para 23,8% dos entrevistados.

A burocracia - ou seja, a lentidão para a formação da empresa, obtenção de alvarás e licença - também é um percalço para 69,8% dos empreendedores. 

As taxas de juros elevadas pressionam o custo de capital para 57% dos empresários, dos quais 37,4% relataram a dificuldade de conseguir crédito. 

Não bastasse tudo isso, outro problema para 67,8% dos pesquisados é encontrar profissionais capacitados. 

“Com essa pesquisa, conseguimos identificar as principais deficiências de empreender no Brasil, através da opinião de nossos parceiros de todo país”, disse, em nota, Alex Tabor, CEO e cofundador do Peixe Urbano.

O estudo abrange diversos segmentos do Peixe Urbano. A maioria dos entrevistados, ou 76% deles, presta Serviços Locais, que engloba negócios como autoescolas, casas de festas, pet shops, automotivo, entre outros. Outros 12% são do setor de turismo, mesmo percentual representado pelo e-commerce.

 

 

 

 

 

 

 

 

FOTO: Thinkstock