Negócios

Indústria cortou 221 mil empregos em 2014


Antes da crise, empresas encerraram o ano com 8,8 milhões de empregados, número 2,4% menor do que o verificado em 2013, de acordo com o IBGE


  Por Estadão Conteúdo 24 de Junho de 2016 às 14:27

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Os primeiros trimestres da recessão, em 2014, foram marcados pelo corte de 220.747 vagas de trabalho nas indústrias de todo o país.

As empresas industriais encerraram aquele ano com um contingente de 8,8 milhões de empregados, número 2,44% menor do que o verificado em 2013, conforme a Pesquisa Industrial Anual (PIA) - Empresa 2014, divulgada, nesta sexta-feira (24/06), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A "manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos" foi o segmento industrial que teve a maior queda relativa no total do pessoal ocupado, com tombo de 9,4% de 2013 para 2014, para 220.807 empregados.

LEIA MAIS: Sul e Sudeste puxam a criação de novas empresas em 2016

Em seguida, vem "fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias", com queda de 8,03%, para 507.247 empregados.

Os dados do IBGE mostram que o número de empresas industriais ficou inalterado na passagem de 2013 para 2014, sugerindo que as demissões puxaram a redução do pessoal ocupado na indústria.

LEIA MAIS: São Paulo perde mais de meio milhão de vagas formais

De acordo com a PIA 2014, o número de empresas industriais instaladas no Brasil cresceu 0,08% na passagem de 2013 para 2014, quando o número chegou a 334.752 firmas.

Em 2014, foram contabilizadas apenas 278 empresas industriais a mais do que no ano anterior. Com isso, a média de pessoal ocupado por empresa caiu de 27 para 26 empregados.

A economia ficou estagnada em 2014, mas o Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (Codace) da Fundação Getulio Vargas (FGV) identificou o início da recessão atual no segundo trimestre daquele ano.

Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB) ficou estável, com alta de 0,1%, mas, na média, o mercado de trabalho ficou favorável.

Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), a taxa de desemprego ficou em 6,5% no quarto trimestre do ano, embora a indústria já tivesse começado a apresentar piora no emprego naquele ano.

Em 2015, a recessão piorou e o PIB encolheu 3,8%, maior retração em 25 anos. A piora no mercado de trabalho acelerou e a taxa de desemprego chegou a 9,0% no quarto trimestre.

Foto: Thinkstock