Negócios

Incertezas políticas atrapalham negócio imobiliários


Embora exista oportunidades, principalmente nas grandes cidades, investimentos devem ser retomados apenas quando as incertezas se dissiparem, afirma associação do setor


  Por Estadão Conteúdo 14 de Setembro de 2018 às 13:15

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz França, afirmou que o grau elevado de incertezas políticas tem impedido a indústria da construção de capturar oportunidades de negócios, mas que o setor será capaz de retomar os investimentos quando essas incertezas se dissiparem.

"As oportunidades são visíveis a olho nu, especialmente nas grandes cidades, mas elas não podem ser aproveitadas em função das incertezas que só serão removidas daqui algumas semanas", comentou, referindo-se ao processo eleitoral. "Removida a incerteza política, o setor da construção será capaz de retomar investimentos", salientou, em discurso de abertura de evento organizado pela Abrainc com empresários.

França avaliou que o Brasil está melhor do que nos últimos anos, graças a medidas como a reforma trabalhista e a imposição de um teto para a evolução dos gastos públicos.

Ele alertou que é necessário preservar o FGTS, que é fonte de recursos para financiar a compra e a construção de imóveis para a população de média e baixa renda, como as unidades dentro do programa Minha Casa Minha Vida. "O FGTS é decisivo para se combater o déficit de moradias populares. Preservar o papel do fundo e suas prioridades, sem desviar recursos para outras áreas, é fundamental", enfatizou.

O presidente da Abrainc ainda elogiou a criação das Letras Imobiliárias Garantidas (LIGs), que, na sua avaliação, serão capazes de atrair mais investimentos para abastecer o setor.

IMAGEM: Thinkstock