Negócios

Franquia muda de nome para tentar conquistar a Flórida


Rebatizada de Vip Shape, a Emagrecentro, franquia de estética e beleza, retoma trajetória de internacionalização a partir dos Estados Unidos. Em 2019, destino será a Europa


  Por Karina Lignelli 13 de Dezembro de 2018 às 08:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Inaugurada no último dia 15 de novembro nos Estados Unidos, a unidade internacional da rede de franquias de estética e beleza Emagrecentro reinicia sua trajetória de internacionalização a partir de Lake Buena Vista, em Orlando, Flórida. 

Renomeada de Vip Shape (algo como "aparência vip", em inglês), numa clara adaptação ao mercado de destino, a rede chega, após um ano de pesquisas, ao país que está em primeiro lugar no ranking mundial de consumo de produtos e serviços de estética e beleza e movimentou US$ 86,1 bilhões em 2017, de acordo com a Euromonitor.

Já o Brasil, que movimentou US$ 32,1 bilhões no período, está em quarto lugar, atrás também da China (US$ 53,4 bi), que o ocupa o segundo lugar, e do Japão (US$ 36 bilhões), o terceiro entre os maiores mercados do setor.  

LEIA MAIS: Paraguai é o primeiro destino internacional da Casa do Construtor

Fiel à estratégia de implantar centros de estética e emagrecimento para mulheres de 25 a 55 anos, de todas as faixas de poder aquisitivo, a Vip Shape planeja ganhar espaço no mercado americano oferecendo procedimentos estéticos diferenciados a um preço médio mais acessível nas sessões e pacotes para o consumidor local. 

"Lá, o setor tem pouca concorrência para o modelo de negócio de serviços estéticos", afirma o médico Edson Ramuth, presidente e fundador da rede. "Como os procedimentos oferecidos por lá são muito caros, aproveitamos a oportunidade."

Com escritório para prospecção aberto nos EUA desde 2014, a rede pesquisou e se planejou bastante até investir US$ 100 mil dólares na nova unidade, que é própria e foi aberta em uma região frequentada por brasileiros e latinos.

LEIA MAIS: 7 dicas para operar uma franquia brasileira no exterior

"Nosso atendimento se diferencia por ser mais caloroso e próximo, quesitos que ajudam e muito na fidelização desses clientes", acredita Ramuth, que já foi diretor de microfranquias da Associação Brasileira de Franchising (ABF). 

DETALHE DA UNIDADE DE LAKE BUENA VISTA

Além da previsão de abrir mais duas clínicas naquele país, a Emagrecentro/Vip Shape já tem planos em andamento para 2019, que é abrir unidades franqueadas na Europa - sendo uma em  Portugal, já assinada, e outra na Espanha, em fase de negociação. 

"A expansão nesses países surgiu por conta da demanda de empresários que residem nesses locais, mas gostaram da marca", diz Ramuth, lembrando que um deles é um empresário português casado com uma brasileira, e o outro, brasileiro, mesmo. 

LEIA MAIS: Franquias brasileiras avançam em 100 países

Fundada há 32 anos em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, a princípio como clínica médica, a Emagrecentro enveredou pelo ramo da cirurgia plástica e tratamentos estéticos e de emagrecimento a partir da década de 90.

Na ocasião, abriu clínicas próprias em bairros paulistanos como Santana, Lapa, Tatuapé e Vila Mariana, e logo depois entrou para o franchising. 

Com sede na Vila Clementino (Zona Sul da capital paulista), a rede tem 120 unidades espalhadas pelo Brasil, sendo que cinco são próprias. Dona também do EsthetiClub (uma espécie de academia de estética), a franquia prevê encerrar 2018 com faturamento de R$ 60 milhões, e planeja chegar a 200 unidades no Brasil e 50 no exterior até 2020. 

ERROS E ACERTOS 

Essa não é a primeira experiência da Emagrecentro no exterior. A primeira, que não foi bem sucedida, data de 2011, quando a rede abriu uma clínica no Panamá. Já a segunda, em 2015, foi na Colômbia. O motivo, segundo Edson Ramuth, foram problemas nas unidades franqueadas, que levaram ao fechamento.

"Tivemos muitas falhas operacionais", afirma, sem entrar em detalhes. 

LEIA MAIS: O desafio de unir duas marcas de franquia

Agora, a Vip Shape é comandanda por Janaína, esposa de Ramuth, dentro de uma estratégia da rede de abrir unidades próprias, a princípio, em mercados onde a demanda por serviços estéticos é potencial, como os Estados Unidos. 

"A lição adquirida dessa experiência é fazer uma pré-seleção ainda mais apurada com os candidatos que querem investir na marca", diz. "Portanto, a ideia é sempre ter unidade própria também", finaliza o fundador. 

FOTOS: Divulgação