Negócios

Fnac nega que deixará de operar no Brasil


Balanço divulgado pela rede francesa trata sua divisão brasileira como operação descontinuada, mas, após repercussão, divulgou nota informando que busca parceiro para reforçar a marca no país


  Por Estadão Conteúdo 01 de Março de 2017 às 18:28

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A Fnac, rede francesa de livros e produtos eletroeletrônicos, emitiu um comunicado no início da tarde desta quarta-feira (1/03), no qual afirma que a companhia iniciou um processo de busca de um parceiro local, mas que seu objetivo é continuar e reforçar sua operação no Brasil. 

A nota contradiz o informado pela rede anteriormente, ao divulgar seu balanço do quarto trimestre, no qual reportar a divisão brasileira como uma “operação descontinuada”. Na nota divulgada nesta quarta-feira a Fnac nega que queira deixar o negócio no País.

No Brasil desde 1998, quando adquiriu os ativos da Ática Shopping Cultural, a rede francesa planejava uma expansão meteórica, o que acabou não se concretizando. O desempenho por aqui é considerado fraco, responde por menos de 2% da receita total do grupo 

Para tentar incrementar suas vendas, a rede mudou o formato de suas lojas – que foi reduzido –, além do portfólio de produtos. Até o fim do ano passado, a Fnac tinha 12 lojas em território nacional.

A crise financeira no País e a concorrência com as vendas de livros pela internet acabaram afetando a expansão da rede e de outras livrarias.

Na nota, Fnac informou ainda que "a operação brasileira precisa ter um tamanho crítico no sentido de ser relevante e reforçar sua posição de mercado". 

Segundo a companhia, o grupo está agora focado na nova estratégia de integração com a Darty, varejista de eletrodomésticos e eletrônicos cuja compra pela Fnac foi anunciada em 2015 e aprovada pela autoridade francesa de defesa da concorrência no ano passado.

IMAGEM: Estadão Conteúdo