Negócios

Ex-nadadora olímpica também é campeã nos negócios


Fabíola Molina transformou seu nome em marca de prestígio no segmento de moda praia. A empresária retorna ao cenário olímpico com uma coleção exclusiva para a Rio 2016


  Por Mariana Missiaggia 15 de Agosto de 2016 às 13:00

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Tanto tempo dentro das piscinas rendeu à Fabíola Molina o conhecimento necessário para transformar sua paixão pela natação em negócio.Tendo encerrado a carreira de atleta em 2013, com três Olimpíadas no currículo, a ex-nadadora mantém uma marca de roupas de banho para atletas profissionais desde 2004.

Mesmo aposentada, Fabíola não ficou fora dos Jogos Olímpicos de 2016. Está de volta ao evento graças ao trabalho como empresária.

Ela assina a coleção de trajes de praia da Rio 2016, com peças inéditas no catálogo de produtos licenciados do Comitê Organizador.

A coleção exclusiva está à venda na loja oficial da Vila Olímpica, em aeroportos, shoppings e rodoviárias e também pela internet.

SEGUNDA CARREIRA

Quase cem vezes campeã brasileira, a ex-atleta já disputou quatro Jogos Pan-Americanos, três Olímpiadas e 11 mundiais de natação.

Insatisfeita com seus resultados na Olímpiada de Sydney, em 2000, Fabíola procurava um novo plano de carreira para o futuro. E encontrou a resposta dentro da piscina. 

FABÍOLA E SUA FILHA COM UMA DAS PEÇAS DA RIO 2016

Como não gostava das opções que as lojas de trajes de banho ofereciam, Fabíola desenvolvia seus próprios sunquinis, como são chamados os biquínis um pouco maiores que os tradicionais. Para isso, contava com a ajuda da mãe e de uma costureira de sua cidade natal, São José dos Campos, a 97 quilômetros de São Paulo.

A cada campeonato de que participava, mais atletas se interessavam pelas peças que usava. "Percebi que havia demanda de um público", disse, "de quem eu estava próxima e também conhecia bem."

LEIA MAIS: Não passou na peneira, mas é craque nos negócios

Com a mesma disciplina que dedicava aos treinos, Fabíola pesquisou tecidos, aprendeu sobre modelagem e design e participou de programas de mentoria empresarial. Ela montou a confecção em 2004, em São José dos Campos. Enquanto se dividia entre as duas carreiras, contou com a ajuda dos pais para administrar as primeiras encomendas.

Para se diferenciar em um mercado dominado por grandes marcas, a ex-atleta aproveitava as competições para fazer novos contatos com atletas de todo o país. Conquistou um grupo privilegiado de representantes comerciais, as próprias nadadoras. Ao conhecer o trabalho de Fabíola, elas se interessavam em vender as peças em suas regiões.

De roupas para natação à moda praia, Fabíola se consolidou como uma das principais fabricantes de vestuário esportivo do país graças à inovação que agregou às coleções. Desenvolveu tecidos com maior resistência a produtos químicos e com uma compressão maior ao corpo, o que garante melhor performance ao nadar.

LOJA FÍSICA EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

ERRANDO E APRENDENDO

Assim como na carreira de nadadora, Fabíola encontrou muitos obstáculos. A criação de um e-commerce nacional e internacional, em 2005, envolvendo vendas, envios e pagamentos no exterior, levou quase dois anos para funcionar como deveria.

LEIA MAIS: Judoca traz o primeiro ouro para o Brasil

O desejo de crescer rápido quase pôs a perder os planos da atleta. A tempo ela entendeu a importância de manter a empresa pequena e de evitar dívidas. "Levamos nove anos para conseguir nossa sede própria", diz. Também não deu certo se arriscar a criar novas linhas, com a de fitness. "Não era a nossa prioridade."

Atualmente, os negócios com a marca Fabíola Molina se estendem ao e-commerce, à loja física, à presença em lojas multimarcas, como a Decathlon, e à exportação. Cerca de 25% de tudo o que é produzido pela marca (6 mil peças/mês) é exportado para 15 países.

Sem revelar quanto investiu no negócio, Fabíola informa que o faturamento da empresa é três vezes maior do que ganhava como atleta. Para o futuro, além de investir na expansão nacional e internacional, Fabíola também pretende lançar uma linha infantil. 

*FOTO: Divulgação