Negócios

Este vai ser o Natal do panetone?


Nem presentão, nem lembrancinha: fabricantes e lojistas acreditam que a comida típica das festas natalinas será, em tempos de crise, o presente preferencial dos brasileiros


  Por Thais Ferreira 11 de Dezembro de 2015 às 08:00

  | Repórter


No tempo das vacas gordas, os brasileiros preenchiam suas árvores de Natal com produtos tecnológicos.

Até poucos anos atrás, os consumidores –embalados pelo 13º salário – aproveitavam a época natalina para comprar produtos caros e modernos.  Tivemos o Natal da TV de tela plana, depois o Natal do smartphone e, em seguida, o Natal do tablet.

Mas em tempos de crise, os presentes embaixo da árvore ficam mais escassos. “Esse Natal não vai ser nem o da lembrancinha -apenas beijos, abraços e orações”, prevê Emílio Alfieri, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Mas há lojistas um pouco mais otimistas. Alguns deles acreditam que os tradicionais presentes serão substituídos por um velho conhecido dessa época: o panetone.

Ou seja, em vez de aparelhos eletrônicos e roupas, as pessoas presentearão amigos e familiares com o alimento típico do período.

Por isso, produtores e lojistas estão apostando que –apesar da retração da economia – a venda de panetones crescerá neste ano.

“Mesmo com aumento médio esperado entre 7% e 10% nos preços do produto, as vendas se manterão aquecidas”, afirma Rodrigo Mariano, gerente do departamento de economia e pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (APAS).

De olho nesse comportamento dos consumidores, algumas marcas estão apostando em embalagens sofisticadas e novos sabores.

EMBALAGENS ESPECIAIS DA VILLAGE PARA PRESENTEAR CRIANÇAS/Foto: Divulgação

EXPECTATIVA

A Village –segunda maior fabricante de panetones do país, baseada na zona leste de São Paulo aumentou a produção com a expectativa de que haverá crescimento crescimento de 10% nos volumes comercializados.  

“Como se trata de um produto sazonal começamos o planejamento um ano antes”, afirma Reinaldo Bertagnon, executivo comercial da Village. “E apesar do aprofundamento da crise, os primeiros dias de dezembro tiveram um resultado bastante positivo e que deve ser melhor ainda próximo ao Natal.”

A marca também criou novos sabores como o Gianduia, com recheio trufado de avelã e gotas de chocolate ao leite, o de Bem-Casado com gotas de chocolate, e uma opção integral com passas e damascos.

Além disso, a empresa recrutou 700 pessoas para promover degustações dos produtos em pontos comerciais.

As embalagens também foram modificadas justamente para agradar consumidores mais exigentes. Há opções de panetones para o público infantil com personagens populares, como Luna, Scooby Doo, Galinha Pintadinha e Patati Patatá.

Outra novidade da Village é uma tecnologia que permite que as crianças que comprarem os panetones  assistam a cenas de desenhos animados por meio de um aplicativo.

“Nós acreditamos que esse vai ser o ano do panetone”, afirma Bertagnon.

NOVA EMBALAGEM DO PANETONE DA NUTTY BAVARIAN: IDEAL PARA PRESENTES. Foto: Divulgação 

LATA PARA PRESENTE

A rede de franquias Nutty Bavarian – que vende nozes, castanhas e amêndoas – começou a produzir os panetones há alguns anos. Inicialmente, era apenas um brinde de final de ano para fornecedores, funcionários e franqueados.

A receita, que leva gotas de chocolate e nozes diversas, foi muito elogiada. Em 2014, a empresa decidiu comercializar o produto. Os panetones foram um sucesso: as quatro mil unidades esgotaram rapidamente nos quiosques da marca.

Nesse ano, a Nutty Bavarian decidiu dobrar a produção. “Vários clientes compram nossos produtos com o intuito de presentear colegas”, afirma Adriana Auriemo, diretora da Nutty Bavarian. “Percebemos essa tendência e criamos neste ano uma lata decorada.”

Os primeiros resultados de 2015 são positivos. Os franqueados estão aumentando o número de pedidos de panetones a cada nova encomenda.
 

LAURY ROMAN, DA OFNER, ACREDITA QUE AS VENDAS IRÃO PERMANECER ESTÁVEIS. Foto: divulgação

SABORES ESPECIAIS

A Ofner, tradicional confeitaria paulista com mais de 60 anos, é outra empresa que aposta no Natal do panetone. O planejamento começou nos meses do maio e junho, quando foram desenvolvidos novos produtos e realizadas as encomendas das matérias-primas.

A produção de 2015 atingirá 400 toneladas – o equivalente a 600 mil unidades–, mesma quantidade que o ano anterior. Os preços tiveram um acréscimo de 10%, para acompanhar a inflação do período.

Mesmo com o aumento do valor, a empresa aposta que o consumo do panetone não irá diminuir.  Por isso, decidiu lançar novos sabores como o camafeu, uma receita que mistura chocolate branco e nozes, e o panetone fit, que contém uvas passas e uma mistura de sete grãos.

Os produtos também têm pacotes especiais, alguns são adornados com capas de veludo e outros com embalagens que lembram embrulhos de presente. 

“Apesar da crise política e econômica, o Natal é um período que se descola desse momento", afirma Laury Roman, diretor comercial da Ofner. “As pessoas procuram produtos de qualidade para dar a seus amigos e familiares e nossos panetones são uma boa escolha de presente”. 

Foto de abertura: Thinkstock